Lula convoca reunião de emergência sobre Amazônia

Segundo a minsitra Marina Silva, a devastação registrada nos últimos meses de 2007 foi sem precedentes

João Domingos, da Agência Estado, e Carlos Orsi, do estadao.com.br,

23 de janeiro de 2008 | 18h08

A ministra do meio Ambiente, Marina Silva, informa que houve na Amazônia, em novembro e dezembro, um "desmatamento nunca visto". Ela informou que comunicou o fato ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na reunião ministerial desta quarta, e que ele convocou para amanhã uma reunião de emergência para discutir o assunto.    Acompanhe a evolução do desmatamento Ainda há tempo para salvar a Amazônia? Segundo os dados levantados por satélite nos últimos meses, se nada for feito para conter a devastação, o desmatamento, no período 2007-2008, poderá chegar a 15.000 km2, cerca de 30% a mais que o registrado entre 2006-2007.  Esta seria a primeira  alta do índice desde 2004, quando houve aumento de 8% na área desmatada, e representará uma superfície de mata perdida praticamente igual à de 2006. A tendência de alta já havia sido detectada em meados do ano passado, quando foi registrada uma aceleração da devastação entre os meses de julho e setembro, na comparação com o mesmo período de 2006.  Marina disse que do encontro de amanhã com o presidente participarão, além dela própria, os ministros da Agricultura, Reinhold Stephanes, da Justiça, Tarso Genro, da Defesa, Nelson Jobim, e da Casa Civil, Dilma Rousseff.  Os dados apresentados têm como base o sistema de satélite Deter que, para ser mais rápido, registra apenas parte do que é desmatado. Levando em conta os dados históricos, estima-se que a área cortada possa chegar a 7.000 km2 entre agosto e dezembro de 2007.  O mais preocupante, diz nota do ministério, é o registro de áreas desmatadas nos meses de novembro e dezembro, o que é considerado atípico. "É um comportamento completamente novo e muito preocupante", destaca o secretário-executivo do ministério, João Paulo Capobianco, segundo nota divulgada pelo governo.  O aumento do preço das commodities também pode ter agravado o quadro, diz o ministério. Segundo a ministra, as atividades típicas dos Estados que mais desmataram - Mato Grosso, Pará e Rondônia - são a pecuária e a soja que, coincidentemente, registraram aumento de preços.  Os municípios campeões de desmatamento são São Felix do Xingu e Cumaru do Norte, ambos no Pará, e Colmiza, em Mato Grosso. Ampliada às 19h39

Tudo o que sabemos sobre:
desmatamentoamazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.