Lula confirma presença na cúpula da ONU sobre clima

Em seu programa de rádio, presidente comentou ainda sobre a meta de redução de emissão de CO2 do País

estadao.com.br,

16 Novembro 2009 | 10h30

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou nesta segunda-feira, 16, sua participação na cúpula da ONU que discutirá, em dezembro, as mudanças climáticas. "Vou a Copenhague no dia 16 e dia 17 (de dezembro). Acertei com o presidente Nicola Sarkosy (França) e com o premiê Gordon Brown (Inglaterra)", disse Lula durante o programa de rádio "Café com o presidente". Lula havia comentado na semana passada que sua participação no encontro em Copenhague dependia da presença de outros líderes mundiais.

 

Veja também:

linkPaíses ricos descartam acordo definitivo em reunião de Copenhague

linkLula e Sarkozy querem propostas mais ousadas de EUA e China 

linkChina estuda proposta para adiar acordo final sobre clima

linkDinamarca defende definição de prazo para acordo climático 

 

Durante o programa de rádio, Lula ainda falou sobre a meta de redução da emissão de carbono estabelecida pelo Brasil. "O Brasil vai trabalhar para diminuir entre 36% e 38,9% a emissão de gás de efeito estufa. Uma parte disso já começa com a diminuição do desmatamento da Amazônia, que assumimos o compromisso de reduzirmos 80% até 2020, mas nós também vamos fazer a pasta da agricultura brasileira, que tem extraordinária competência e pode produzir mais sem fazer emissão de gases de efeito estufa", disse o presidente.

 

Arcoverde Terra Legal

 

Participando do programa de rádio direto de Roma, onde participa da cúpula da ONU para alimentação e agricultura, Lula comentou sobre o programa Arcoverde Terra Legal, que tem como objetivo oferecer alternativas sustentáveis à população da região amazônica e evitar o desmatamento. "A gente chegou a conclusão que não adianta apenas punirmos quem desmata. A punição ajuda porque reduz em parte essa ação, mas não nos dá garantia de que as pessoas não vão voltar a desmatar. Agora, quando você une prefeitos, governadores e cria oportunidades, e cria oportunidades e orienta as pessoas corretamente, você dá alternativa viável, concreta para que eles deixem de desmatar", disse o presidente sobre o programa federal, que completou quatro meses de execução.

Mais conteúdo sobre:
Lula ONU Copenhague clima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.