Lula afirma que pretende ir à Conferência de Copenhague

Presidente condicionou sua presença à de outros líderes mundiais; Dilma será a representante do País

Carolina Freitas, da Agência Estado,

13 Novembro 2009 | 14h35

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta sexta-feira, 13, em São Paulo, que pretende ir, em dezembro, à Conferência de Copenhague, em que líderes internacionais definirão metas de redução de emissão de gás carbônico, para brecar o avanço do aquecimento global.

 

Veja também:

linkEUA não esperam definição de corte de CO2 em Copenhague

linkMeta de redução voluntária de CO2 chegará a 38%, afirma Minc

linkPosição do Brasil pode ser decisiva em Copenhague

 

Apesar de mostrar disposição de ir ao encontro, Lula condicionou sua participação à de outros presidentes. "Pretendo ir. Vai depender muito da quantidade de chefes de Estado que compareçam a Copenhague." A princípio, a incumbência de representar o Brasil na conferência foi dada à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.

 

Lula disse ter informações de que o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, irão à reunião e afirmou que telefonará nos próximos dias para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para convencê-lo a comparecer também.

 

Lula prometeu que o Brasil apresentará uma meta "arrojada", que será definida hoje à tarde, em reunião na sede da Presidência em São Paulo, com a participação de Dilma e do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc.

 

"Vamos chegar em Copenhague para discutir questão do clima com a mesma força que chegamos para discutir as Olimpíadas: muito fortes e com muita razão", afirmou, após lembrar que o País bateu o "recorde dos recordes dos recordes" na redução do desmatamento. O governo anunciou ontem que, entre agosto de 2008 e julho de 2009, foram desmatados 7.008 km?, uma redução de 45% ante o período anterior, quando a área foi de 12.911 km?.

Mais conteúdo sobre:
Lula Copenhague meio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.