Lula admite que desmatamento volta a aumentar no Brasil

"Precisamos ser mais duros", disse no programa "Café com o Presidente", fazendo balanço positivo de 2007

Cida Fontes,

31 de dezembro de 2007 | 19h13

Dez dias depois de o governo ter admitido que o desmatamento voltou a aumentar nos últimos quatro meses, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que vai convocar governadores e prefeitos a Brasília para firmar um compromisso destinado a diminuir a derrubada de florestas. "Nós precisamos ser mais duros", advertiu no programa de rádio "Café com o Presidente", em que fez também um balanço positivo de 2007 e previsões, também otimistas, para 2008 que, como acredita, será melhor que o ano passado. Ao dar ênfase à questão ambiental, o presidente destacou que houve uma redução em 60% do desmatamento nos últimos três anos, o que considerou "uma coisa extraordinária". Ele afirmou que "cada vez mais o povo está tomando consciência" de que é preciso cuidar do ambiente em que vive. "E nós precisamos ser mais duros", alertou, ao acrescentar que já pediu à ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que faça um mapeamento dos lugares mais atingidos por desmatamento para convocar seus governantes e estabelecer um acordo. "Eu diria um compromisso, de que nós temos a obrigação de evitar o desmatamento", afirmou.  No último dia 21, Marina revelou que, apesar da queda nos anos mais recentes, nos últimos quatro meses o desmatamento aumentou 10% em relação ao mesmo período do ano passado, o que causou preocupação no governo e entre ambientalistas.  O presidente destacou ainda o avanço tecnológico do Brasil na área de biocombustível, seja o etanol ou o biodiesel. "É importante lembrar que a partir do dia primeiro (hoje), todo o óleo diesel brasileiro terá 2% de biodiesel. Nós ainda temos muita gente que não presta atenção na questão ambiental, mas é da responsabilidade de todos", afirmou. "Se tem lixo na rua é porque alguém jogou. Se alguém jogou, é irresponsável. Se as pessoas desmatam desnecessariamente, sem discutir, sem discutir o manejo da própria floresta, a pessoa está sendo irresponsável", prosseguiu. O presidente ainda mandou um recado aos países ricos que, segundo ele, são os que mais poluem o planeta. "Precisam assumir a responsabilidade de pagar pela preservação que os países mais pobres estão fazendo", ressaltou. Ele disse que o chanceler Celso Amorim e a ministra Marina Silva defenderam na reunião de Bali, na Indonésia, propostas em defesa do meio ambiente. Entre elas, a criação de um fundo para financiar a conservação das florestas nos países menos desenvolvidos.Ao final de seu programa radiofônico, Lula agradeceu a todos os brasileiros e reafirmou o compromisso de melhor "substancialmente" a educação. "E tenho três anos e meio para fazer. É como eu digo sempre: o bloco está na rua e vamos fazer as coisas acontecerem", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.