Londres lança ônibus de hidrogêno em linha turística

O primeiro ônibus movido a hidrogênio do Reino Unido começa a operar permanentemente nesta sexta-feira em uma popular linha turística da Londres. Sete outros ônibus semelhantes serão adicionados à rota RV1 - que vai de Covent Garden até a Torre de Londres e a margem sul do Tâmisa - em meados de 2011.

The Guardian

10 Dezembro 2010 | 15h37

 

A iniciativa está sendo descrita como o trampolim para espalhar a tecnologia pelo país. O lançamento da linha também coincidirá com a abertura da maior estação de abastecimento de hidrogênio do Reino Unido em Leyton, no leste de Londres.

 

O novo ônibus foi desenhado especificamente para Londres. Ele produz vapor d'água que sai pelo escapamento e pode operar por mais de 18 horas sem precisar reabestecer.

 

"Estes são a próxima geração de ônibus moviods a combustível de célula híbrida de hidrogênio que foram criados e desenvolvidos com base nas descobertas do nosso programa", afirmou David Edwards, um porta-voz da Trensport for London. "Nós estaremos monitorando a performance desses novos ônibus e sua tecnologia. Se eles provarem que são adequados para as necessidades de Londres vamos considerar a extensão da frota".

 

Os ônibus contêm baterias que podem estocar eletricidade gerada pelo combustível célula de hidrogênio - um dispositivo que combina hidrogênio e oxigênio para produzir energia e água como sub-produto - à qual é adicionada a energia gerada durante o processeo de freagem. Como resultado, eles podem viajar muito mais longe do que os testados em Londres como parte do CUTE - Cleaner Transport for Europe - patrocinado pela União Européia desde 2003.

 

Os novos ônibus foram produzidos por um consórcio de empresas que já realizou o mesmo trabalho em Vancouver, onde foi instalada uma frota de 39 ônibus no ano passado. "A principal diferença é que aqueles ônibus foram desenhados para suportar temperaturas abaixo de 20º", disse David Hart, um expert em combustível de hidrogênio do Imperial College.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.