Bob Strong/Reuters
Bob Strong/Reuters

Líderes voltam a reunir-se na busca de um acordo na COP-15

Objetivo é redigir declaração política final que reúna os dois textos que foram negociados durante a cúpula

Efe,

18 Dezembro 2009 | 10h37

Cerca de 25 chefes de Estado e de Governo retomaram nesta sexta-feira, 18, uma reunião na busca de um acordo sobre a mudança climática, no último dia da cúpula que reúne 192 países em Copenhague.

 

Veja também:

linkLula sobe tom e faz discurso crítico em Copenhague

link'Estou rindo para não chorar', diz Lula em Copenhague

linkEm entrevistas, Lula nega que Brasil pretenderia 'vender' Amazônia

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial Entenda as negociações do novo acordo  

especialRumo à economia de baixo carbono    

 

Os líderes, que já realizaram nesta última quinta-feira à noite uma reunião de urgência a pedido da Presidência sueca da União Europeia, repassarão o estado das conversas depois que suas equipes seguiram trabalhando durante toda a noite, assinalou uma fonte da UE.

 

Entre eles figuram o primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, seu colega sueco, Fredrik Reinfeldt, os líderes da França, Alemanha, China, Reino Unido, Índia, Rússia, vários países insulares e africanos, entre outros.

 

O objetivo é redigir uma declaração política final que reúna os dois textos que foram negociados durante os últimos 11 dias.

 

Os principais problemas giram em torno dos números de redução de gases do efeito estufa, o financiamento necessário para reduzir os efeitos da mudança climática e adaptar-se a seus efeitos, além da transparência do processo.

 

Fontes próximas à conferência assinalaram que existe a possibilidade de prolongar a cúpula em nível ministerial, inclusive até este sábado, se os chefes de Estado e de Governo não alcançarem ao menos uma declaração política.

 

Ainda disseram que o anúncio feito ontem pelo Governo dos EUA, que prometeu contribuir para um fundo global de US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020 para combater a mudança climática tinha aberto um resquício de esperança, embora tenha ficado muitas coisas a esclarecer a respeito do mecanismo de gestão deste dinheiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.