Michael Kappeler/PoolPhoto/AP
Michael Kappeler/PoolPhoto/AP

G7 concorda em reduzir emissões de carbono, mas não fixa metas

Após encontro na Alemanha, países apoiaram objetivo para limitar alta das temperaturas para 2ºC em relação a níveis pré-industriais

O Estado de S. Paulo

08 Junho 2015 | 13h28

KRUEN - Os líderes do G7, as sete nações mais industrializadas do mundo, concordaram nesta segunda-feira, 8, em diminuir a dependência de suas economias dos combustíveis emissores de carbono e apoiaram uma meta global de redução dos gases de efeito estufa, mas não chegaram a acordar metas imediatas e vinculantes para seus próprios países.

Em um comunicado emitido após o encontro de dois dias na Baviera, na Alemanha, os líderes do G7 disseram respaldar um corte global na emissão dos gases de efeito estufa mais próximo da porcentagem mais alta de uma faixa de 40% a 70% até 2050, tomando o ano de 2010 como base.

Essa faixa foi recomendada pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas (IPCC, na sigla em inglês).

Eles também apoiaram uma meta global para limitar o aumento das temperaturas globais médias para 2ºC em comparação com níveis pré-industriais.

“Assumimos o compromisso de fazer nossa parte para termos uma economia de baixa emissão de carbono no longo prazo, incluindo o desenvolvimento e a implementação de tecnologias inovadoras, na luta por uma transformação dos setores energéticos até 2050, e convidamos todos os países a se unirem a nós nesta empreitada”, afirmou o comunicado.

Angela Merkel, chanceler alemã e anfitriã da cúpula e já apelidada de “chanceler do clima”, procurou fortalecer suas credenciais instando as nações do G7 a concordarem com metas específicas de emissões antes da cúpula climática da Organização das Nações Unidas (ONU), em Paris, no final do ano.

Os líderes evitaram endossar quaisquer metas imediatas e vinculantes para suas economias. Ainda assim, grupos de lobby ambientais saudaram o rumo dos acordos.

“Eles emitiram sinais políticos importantes, mas poderiam ter feito mais, em especial assumindo compromissos nacionais concretos de ação imediata”, disse Sam Smith, líder da Iniciativa Global para o Clima e Energia da organização Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês)./REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Aquecimento global Efeito estufa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.