Leonardo DiCaprio protege tigres

O ator Leonardo Di Caprio comprometeu-se com um milhão de dólares para conservar os tigres, no momento em que os líderes da Rússia, da China e de mais uma dúzia de países asiáticos lutam para instituir um fundo de financiamento para dobrar a população selvagem do predador em perigo de extinção.

The Guardian

23 Novembro 2010 | 19h54

 

O astro de Titanic, O Aviador e Diamante de Sangue anunciou planos para doar parte de sua fortuna, através do grupo ambiental WWF, para financiar esforços contra a caça, para a proteção dos habitats e para campanhas de sensibilização a respeito das condições em que o animal se encontra.

 

Veja também

 

China e Rússia prometem salvar os tigres da extinção

 

"A caça ilegal de tigres e a perda maciça de seus habitats por conta da retirada de madeira, do cultivo do óleo de palma e do uso da floresta para produção de papel está levando a espécie à extinção", disse DiCaprio. "Se nós não tomarmos uma providência agora, um dos mais icônicos animais do planeta pode estar extinto em algumas décadas."

 

A forte demonstração de vontade política e o suporte da celebridade ainda não foram acompanhados por fundos adequados para a consecução da meta e dobrar o número de tigres selvagens em doze anos. Atualmente, a população é estimada em 3.200 indivíduos.

 

O Banco Mundial está tentando levantar US$ 350 milhões junto a governos, instituições e doadores privados para atingir essa meta. A Wildlife Conservation Society disse que levantaria US$ 50 milhões antes do próximo ano do tigre, em 2020.

 

ONGs afirmam que o mecanismo estável e de longo prazo necessário para a causa poderia ser alcançado através do esquema de Redd plus (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal) para a proteção de florestas.

 

"Sabemos como salvar os tigres. O problema é que não temos como financiar essas ações. Nós conseguimos financiamento para a conservação por alguns anos, e depois ele se acaba", disse

 

Eric Dinerstein, cientista chefe do WWF. "Temos de encontrar financiamento sustentável".

 

Stanley Johnson, da Convenção para a Conservação da Espécies Migratórias de Animais Selvagens, disse que US$ 350 milhões por cinco anos são "migalhas".

 

"Se conseguimos mobilizar US$ 80 bilhões para salvar os bancos irlandeses, então certamente uma pequena fração desse montante pode ser mobilizada para salvar os tigres", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.