Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Lei do Clima e Fundo Climático são prioridades, diz Minc

Ministro adiantou que Governo lançará um grande plano de combate ao desmatamento no Cerrado

Agência Brasil,

17 Fevereiro 2010 | 11h09

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse nesta quarta-feira, 15, que as prioridades para o último ano de mandato do presidente Lula, na sua área, são a regulamentação da Lei do Clima e a do Fundo de Mudanças Climáticas, criado no final do ano passado.

 

Veja também:

linkAbrolhos e parque de MG são reconhecidos no exterior 

linkEUA irão honrar pacto sobre clima mesmo sem China, diz Stern 

linkFalhas de medição invalidam tese do aquecimento global, diz cientista  

 

Ele afirmou que não haverá descontinuidade nas políticas ambientais de governo e que não haverá impunidade para desmatadores e poluidores. "A equipe continua a mesma e todos os cargos praticamente vão ficar. Os programas também. Os poluidores estão achando que vão poder desmatar, mas vão se arrepender, vão pagar caro, porque a impunidade não vai voltar", advertiu Minc, que deve deixar o cargo em abril para candidatar-se a deputado pelo Rio de Janeiro.

 

Sobre a pauta ambiental, o ministro lembrou de questões regulatórias e de infraestrutura. "A principal coisa agora é regulamentar a Lei do Clima e o Fundo de Mudanças Climáticas, que é de R$ 1 bilhão por ano. Também vamos nos voltar mais para as questões urbanas, como lixo, saneamento e aproveitamento do metano."

 

Minc disse que novas áreas de proteção serão definidas até o final do ano. "Vamos criar quatro unidades de conservação na Bahia e mais duas no Piauí. Este ano é da biodiversidade. Acontecerá uma Conferência das Partes [COP] em Nagoia, no Japão, em outubro. E o Brasil preside o grupo dos megabiodiversos dos 17 países que têm 75% da biodiversidade do mundo inteiro. Acho que a gente tem que jogar pesado na proteção", disse.

 

O ministro também adiantou que será lançado no início do próximo mês um grande plano de combate ao desmatamento do Cerrado, nos moldes do que já existe para a Amazônia, que envolve corte de crédito para desmatadores, barreiras em entroncamentos, fiscalização conjunta com a Polícia Federal e a lista dos municípios que mais desmatam.

 

"Isso [o plano para Amazônia] foi sendo construído ao longo dos anos. Hoje, no Cerrado, o ritmo de desmatamento é duas vezes maior que na Amazônia. A gente não pode ficar oito anos para montar um plano para o Cerrado que nem montamos para a Amazônia", constatou Minc.

 

Para proteger esses biomas, o ministro aposta também na capacitação dos batalhões ambientais das polícias estaduais, por meio de um fundo assinado recentemente no valor de R$ 500 milhões anuais. "Dará recursos para que os batalhões ambientais fiquem mais equipados e mobilizados para combater desmatamentos, tanto na Amazônia quanto no Cerrado", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.