Kelud entra em erupção após três semanas de alerta máximo

Com 1.713 metros de altura, vulcão é considerado um dos 10 mais perigosos do mundo

Efe,

06 de novembro de 2007 | 04h17

O vulcão Kelud, no leste da ilha indonésia de Java, entrou em erupção na madrugada desta terça-feira, 6, após quase três semanas de alerta máximo pelo aumento de sua atividade. "Pouco antes das 6 horas da manhã, começou a sair lava do fundo do lago da cratera. Portanto, podemos confirmar que o vulcão já entrou em erupção", disse à Efe Saut Simadutan, especialista do Centro Nacional de Vulcanologia na cidade de Bandung. "Estamos registrando um tremor vulcânico prolongado, com uma grande amplitude máxima, de 20 milímetros, e há uma coluna de vapor de um quilômetro de altura", acrescentou. O vulcanólogo explicou que as equipes que controlam a situação do Kelud não sabem qual é a temperatura de água do lago no momento. Os instrumentos de medição pararam de funcionar. "A situação está sob controle, a erupção não é muito grande e por enquanto não parece que tenha saído muita lava", acrescentou Simadutan. Na segunda-feira, 5, os cientistas detectaram que o Kelud tinha começado a expelir enormes blocos de lava não incandescente. Umar Rusadi, chefe da equipe de observação do vulcão, disse que a cratera está bloqueada por restos de lava petrificada da última erupção, de 1990, informou nesta terça-feira, 6, o jornal The Jakarta Post. "Para movimentar esta massa tão grande, o magma pode precisar de muita energia. Por isso, a erupção de lava quente pode ser mais leve", afirmou. No entanto, Rusadi lembrou que é possível outro cenário. Nele, o Kelud geraria muita energia para expulsar o magma que bloqueia a cavidade, com um excesso de pressão que torne ainda mais destrutiva a erupção. No fim de semana houve cenas de pânico nos arredores do vulcão, após um grande aumento de sua atividade, que levou a um alarme falso de erupção. Com 1.713 metros de altura, o Kelud é considerado um dos 10 vulcões mais perigosos do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
KeludvulcãoIndonésia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.