Matthew Witt/Divulgação
Matthew Witt/Divulgação

Jornada transoceânica de tartarugas marinhas é revelada pela primeira vez

Viagens épicas da gigantesca tartaruga-de-couro pelo Atlântico Sul são acompanhadas por satélite

estadão.com.br

05 Janeiro 2011 | 15h43

As viagens épicas da gigantesca tartaruga-de-couro pelo Atlântico Sul são acompanhadas pela primeira vez graças a uma pesquisa inovadora com localização por satélite.

 

 

Especialistas do Centro para Ecologia e Conservação (Cornwall, na sigla em inglês) da Universidade de Exeter, na Inglaterra, conduziram um estudo de cinco anos para descobrir mais sobre essas criaturas raras e propiciar esforços de conservação.

 

 

A pesquisa, publicada nesta quarta-feira, 5, na revista britânica Proceedings of the Royal Society B, lançou uma nova luz sobre o comportamento migratório pouco conhecido desses animais. Os cientistas acompanharam o movimento da maior colônia de reprodução do mundo no Gabão, África Central, enquanto as tartarugas voltavam para áreas de alimentação em todo o Atlântico sul.

 

 

O trabalho foi realizado com a ajuda dos Parques Nacionais do Gabão, da Sociedade para Conservação da Vida Selvagem (WCS, na sigla em inglês), da Parceria de Tartaruga Marinha para o Gabão, da Iniciativa para Conservação das Tartarugas-de-couro (Talcin, na sigla em inglês) - um esforço de vários parceiros coordenado pela ONG WWF e pela Seaturtle.org.

 

 

Das 25 fêmeas estudadas nessa nova pesquisa, três rotas migratórias foram identificadas - incluindo uma travessia de 7.563 km pelo Atlântico Sul, da África até a América do Sul.

 

 

Outras rotas também envolvem grandes distâncias. Os animais migram do Gabão para hábitats ricos em alimentos no sudoeste e sudeste do Atlântico e na costa da África Central. Eles permanecem nessas áreas por 2 a 5 anos, para criar reservas para se reproduzir quando retornarem ao Gabão.

 

 

Segundo o Dr. Matthew Witt, "apesar de uma extensa pesquisa sobre as tartarugas, ninguém tem realmente certeza até agora sobre os caminhos que elas tomam no Atlântico Sul. O que nós mostramos é que existem três rotas de migração claras por áreas de alimentação procuradas novamente após o acasalamento no Gabão, embora os números de cada estratégia adotada variassem anualmente. Não sabemos ainda o que influencia essa escolha, mas sabemos que essas viagens são verdadeiramente notáveis - com uma fêmea acompanhada por milhares de quilômetros viajando em linha reta através do Atlântico".

 

 

No Oceano Pacífico, a população de tartarugas marinhas sofreu uma queda vertiginosa nas últimas três décadas. Uma única colônia de filhotes no México diminuiu de 70 mil em 1982 para apenas 250 em 1998-9. A causa exata dessa dramática redução ainda não é clara, mas a colheita de ovos de tartaruga e a pesca têm sido identificadas como fatores potenciais.

 

 

No Atlântico, os níveis de população são maiores, mas, por causa de variações no número de locais de reprodução a cada ano, não está claro se os animais estão em declínio. Conservadores estão interessados em agir agora na região para evitar uma repetição da história do Pacífico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.