Jarbas Vasconcelos diz na tribuna que Minc é 'bobo da Corte'

Senador reagiu à acusação de Minc de ter permitido 'acordo imoral' que levou a desmatamento por usinas

João Domingos, Agência Estado

02 Julho 2008 | 16h45

Em discurso feito nesta quarta-feira, 2, no plenário do Senado, Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) reagiu duramente à acusação do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, de que na sua gestão como governador aprovou um "acordo imoral" que permitiu o desmatamento por usinas de açúcar de Pernambuco, multadas pelo Ibama em R$ 120 milhões. Chamou Minc de "o mais novo aloprado do governo federal" e de "bobo da corte". Veja também: Governo determina regras para concessão de florestas Meio Ambiente cria sistema para monitorar florestas União vai recadastrar terras de estrangeiros na Amazônia Desmatamento na Amazônia foi 26% menor em maio Especial: Amazônia   Entenda a proposta de anistia para desmatadores   "Tenho verdadeira ojeriza, completo nojo dos populistas, dos bobos da corte que se divertem atacando a honra alheia. Este é o caso do sr Minc, que tem mais vocação para animador de auditório do que para ministro de Estado. Para compensar suas deficiências morais e de gestão, o sr Minc optou pelos factóides populistas", assinalou Jarbas Vasconcelos. Declarou que o acordo com os usineiros foi feito no atual governo de Pernambuco, de Eduardo Campos, do PSB, aliado do governo federal, por meio do Termo de Compromisso agroindustrial 6.132, firmado em setembro de 2007. Segundo o senador, o ministro do Meio Ambiente fez "acusações mentirosas e caluniosas". Minc convocou entrevista coletiva ontem para anunciar a multa do Ibama a 24 usinas de Pernambuco por terem desmatado, sem licença ambiental, até as margens dos rios para o plantio de cana-de-açúcar, destruindo, segundo ele, cobertura vegetal nativa da Mata Atlântica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.