Invasões sucessivas tentaram forçar abertura de rodovia

Em junho de 2001, caminhões, helicópteros, lanchas e soldados do Exército, além de policiais federais e militares do Paraná, foram mobilizados para uma operação que retirou centenas de pessoas que haviam invadido a Estrada do Colono, desrespeitando ordem judicial. Foi a última grande operação na área que vivia em conflito escancarado desde 1986, quando a Justiça a fechou pela primeira vez.

Evandro Fadel - enviado especial a Serranópolis do Iguaçu (PR), O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2010 | 13h34

 

O Parque Nacional do Iguaçu foi criado por decreto em 1939. A estrada foi aberta oficialmente em 1954. Desde então, ambientalistas e responsáveis pelo parque sempre reivindicavam seu fechamento, mas o problema começou a ganhar maior dimensão a partir de 1981, quando o plano de manejo estabeleceu a área da estrada como zona intangível, em que a integridade do ambiente deve permanecer intocável. Em razão disso, determinou o fechamento da passagem, que ficaria restrita a uma trilha exclusiva para a administração do parque.

 

Apesar disso, em 1986, o governo do Paraná decidiu pelo asfaltamento. O Ministério Público Federal ingressou com ação civil pública e conseguiu uma liminar determinando o fechamento. No mesmo ano, a Unesco concedeu ao parque o título de Patrimônio Natural da Humanidade.

 

Nos anos seguintes começou uma mobilização popular para a reabertura da estrada à força. Sucessivas invasões ocorreram. Em mais de uma ocasião, moradores ocuparam a estrada e começaram a cobrar pedágio.

 

Em janeiro de 2000, houve nova decisão judicial pelo fechamento, mas foi desconsiderada por políticos e moradores, que a mantiveram aberta. Em maio, o novo plano de manejo do parque foi divulgado e estabeleceu a proibição de circulação de veículos na via. Somente em junho de 2001 as forças policiais agiram fortemente para colocar fim à invasão. Desde então a mata vem tentando se regenerar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.