AP
AP

Invasão de lulas carnívoras assusta mergulhadores nos EUA

Os calamares carnívoros, que podem pesar até 45 kg, vieram das profundezas na semana passada

Associated Press

16 Julho 2009 | 16h43

Milhares de lulas agressivas de mais de um metro de comprimento, com bicos afiados e tentáculos cortantes, invadiram as águas de San Diego (EUA), assustando mergulhadores e indo parar, mortas, nas areias de praias lotadas de turistas.

 

Os calamares carnívoros, que podem pesar até 45 kg, vieram das profundezas na semana passada, e cardumes atacaram mergulhadores desavisados. Alguns relataram casos de tentáculos agarrados às máscaras e arrancando equipamentos de suas mãos.

 

Relatos de encontros com os cefalópodes fizeram muitos mergulhadores veteranos saírem da água, e criaram um clima de excitação entre os demais, divididos entre a segurança pessoal e a oportunidade rara de nadar em companhia dos monstros das profundezas.

 

A chamada lula de Humboldt é nativa das águas profundas da costa mexicana, onde têm um histórico de agressão contra seres humanos e já foram apelidadas de "diabos vermelhos" pela combinação de cor rubra e mau humor.

 

Os mergulhadores que visitam as águas onde esses animais são comuns costumam espalhar iscas pela água, e algumas vezes descem ao mar no interior de gaiolas de proteção ou vestindo trajes reforçados com  metal.

 

Cientistas não sabem por que a lula, que geralmente vive nas águas profundas do México e da América Central, estão invadindo o sul da Califórnia, mas dizem que o fato é preocupante.

 

Nos últimos anos, pequenas quantidades dos animais foram avistadas da Califórnia e até o Alasca, uma tendência que pode estar sendo causada pelo aquecimento global, por falta de alimento ou por um declínio nos predadores naturais da lula.

Em 2002, milhares de lulas haviam aparecido nas parias de Sand Diego, levando à remoção de 12 toneladas de animais mortos ou moribundos.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global lulas oceano califórnia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.