Inseto mãe usa cheiro para privilegiar crias fortes, diz estudo

Tesourinhas mães dão tratamento melhor aos mais fortes em detrimento dos mais fracos

Victoria Gill, BBC

13 Maio 2009 | 07h42

Um estudo sobre insetos realizado em uma universidade na Suíça afirma que as tesourinhas mães conseguem detectar através do cheiro quais são as suas crias mais fortes. Com esta informação, elas dão tratamento privilegiado aos filhos mais fortes.

Os insetos conseguem diferenciar cada um dos seus filhos através de sinais químicos manifestados nos odores. Quando as tesourinhas mães detectam que o animal é forte e bem-nutrido, elas dedicam mais tempo para cuidar dele, em detrimento dos demais. As crias mais fracas recebem menos tempo e dedicação da mãe.

A pesquisa é a primeira a mostrar esse tipo de comportamento entre insetos.

Os pesquisadores esperavam encontrar resultados opostos. No entanto, a pesquisadora Flore Mas, do Instituto Zoológico da Universidade da Basiléia acredita que o favorecimento das crias mais fortes acontece "porque esses insetos procuram por sinais de qualidade, não por necessidades".

"Estes insetos possuem uma prole de 30 a 60 crias, e há um índice grande de mortalidade", explica Mas. "Então não existe motivo para se investir em crias que já estão em más condições."

A comunicação através de sinais químicos é comum entre insetos, mas este é o primeiro estudo que mostra como isso é usado por eles para criar seus filhos.

Os cientistas expuseram as tesourinhas mães aos odores de crias fortes e fracas e comparou as suas reações.

As mães alimentam seus filhotes com a comida que é regurgitada após sua ingestão.

Ao detectar o odor das crias mais fortes, as tesourinhas mães se alimentaram e regurgitaram mais, produzindo quantidades maiores de comida aos seus filhotes.

A pesquisa foi publicada na revista científica Proceedings of the Royal Society B.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
insetos tesourinhas mães filhotes crias cheiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.