Inpe registra mais de mil focos de incêndio no Brasil nas últimas 24 horas

Mato Grosso foi o estado com maior incidência de queimadas, com 729; Só em agosto, já são 22.730 pontos registrados no País

Agência Brasil

27 de agosto de 2010 | 15h23

Da noite da última quinta-feira (26) até o fim da manhã desta sexta (27) foram registrados 1.391 focos de incêndios no Brasil. Mato Grosso foi o estado com maior incidência de queimadas, com 729 focos, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Só neste mês de agosto, já são 22.730 pontos de queimadas registrados no País.

 

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o número de focos pode não refletir a gravidade dos incêndios. O ministério destaca que a situação é preocupante em sete regiões: Tocantins, leste de Mato Grosso, oeste da Bahia, algumas áreas do Piauí e de Minas Gerais, Rondônia e no sul do Pará.

 

Ainda segundo o ministério, cerca de 10 mil pessoas estão envolvidas no trabalho de combate ao fogo, principalmente nas áreas de proteção ambiental. Desse contingente, 3 mil são dos institutos Chico Mendes e Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e 7 mil são bombeiros de todo o País.

 

Esta semana, o Ibama já aplicou mais de R$ 4 milhões em multas por queimadas ilegais na Região Norte. Em Rondônia, uma pessoa foi presa em flagrante na quinta-feira (26) por atear fogo, sem autorização, em uma pastagem. Além da prisão, o infrator recebeu multa de R$ 3,4 milhões.

 

No Pará, sete proprietários rurais dos municípios de Novo Progresso e Altamira, no oeste do estado, também foram multados. Eles provocaram queimadas em 724,91 hectares de pastos e florestas em regeneração. Além da multa de R$ 726 mil, o Ibama embargou as áreas.

 

Segundo o Ibama, a multa por queimada irregular é de R$ 1 mil por hectare em área de pasto e de R$ 5 mil em áreas de conservação, reservas legais ou áreas de proteção permanente. A orientação dos órgãos ambientais é para que não sejam feitas queimadas, mesmo controladas, nesta época do ano. Seguindo essa recomendação, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) proibiu a queima da palha da cana-de-açúcar, que costuma ser feita durante a colheita. A chamada queima controlada, que era permitida entre 20h e 6h, está sob restrição total desde quinta (26) até que a umidade relativa do ar se estabilize em níveis acima de 20%.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.