Inpe aponta desmatamento de 1.123 km2 na Amazônia; 794 km2 em MT

A Amazônia perdeu 1.123 quilômetros quadrados de floresta por corte raso ou degradação progressiva durante o mês de abril, informou nesta segunda-feira o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O Estado de Mato Grosso foi o maior desmatador. Mato Grosso foi responsável pela perda de 794 quilômetros quadrados desse total, de acordo com dados do sistema Deter (Detecção do Desmatamento em Tempo Real), do Inpe. Em março, o Deter havia registrado o desmatamento de 112 quilômetros quadrados em território mato-grossense. "Porém, no mês anterior, 78 por cento da Amazônia estava coberta de nuvens, sendo que 69 por cento de Mato Grosso não pôde ser observado pelos satélites", disse o Inpe, em nota. "Já em abril, 53 por cento da Amazônia esteve sob nuvens, mas apenas 14 por cento de Mato Grosso ficou encoberta", informou a nota. Segundo o Inpe, isso aumentou muito a "oportunidade de observação do Estado". O segundo Estado com maior área de desmatamento em abril é Roraima, com 284,8 quilômetros quadrados, seguido por Rondônia, com 34,6 quilômetros quadrados. Em atividade desde 2004, o Deter surgiu como um sistema de alerta para dar suporte à fiscalização do desmatamento. Segundo o Inpe, o sistema mapeia tanto áreas de corte raso como áreas em processo de desmatamento por degradação da floresta.

REUTERS

02 Junho 2008 | 17h38

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE INPE DADOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.