Indonésia apresenta plano de corte de CO2 contra efeito estufa

As negociações estão travadas há meses, com os países pobres irritados com a atitude das nações ricas

AP,

29 Setembro 2009 | 15h04

A Indonésia tornou-se o mais recente dos países em desenvolvimento a oferecer planos ambiciosos para combater o aquecimento global, e o chefe das Nações Unidas para a questão climática pediu que os países ricos avancem em seus compromissos de corte de emissão dos gases causadores do efeito estufa.

 

Veja também:

linkNão se pode separar economia e ecologia, diz Jeffrey Sachs

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

Países estão reunidos para duas semanas de conversações em Bangcoc, Tailândia, para preparar o tratado que sucederá o Protocolo de Kyoto, que expira em 2012. O tratado deverá ser finalizado numa reunião marcada para dezembro em Copenhague.

 

As negociações estão travadas há meses, com os países pobres irritados com a recusa das nações ricas em assumir compromissos com cortes significativos de emissões, ou com o fornecimento de bilhões de dólares em ajuda para mitigar os efeitos da mudança climática.

 

O principal funcionário da ONU para questão, Yvo de Boer, disse que a frustração dos países em desenvolvimento é cada vez maior.

 

"Os países em desenvolvimento estão fazendo esforços muito significativos para mostrar o que vêm realizando para lidar com a mudança climática e o que mais estão dispostos a fazer", disse de Boer. "Estamos arrastando esse debate há dois anos, sobre o que mais os países industrializados podem assumir, sob o Protocolo de Kyoto. O debate precisa chegar a uma conclusão".

 

Indonésia, que segundo algumas estimativas é o terceiro maior emissor dos gases que aprisionam o calor do Sol na atmosfera da Terra, atrás de EUA e China, disse que reduziria suas emissões em 26% até 2020 e poderia chegar a 41%, se recebesse ajuda financeira. A queda viria de uma combinação entre o uso de energias renováveis, eficiência energética e combate ao desfloerestamento.

 

"Queremos dizer ao mundo que, embora a obrigação seja principalmente dos países desenvolvidos, a Indonésia, sendo uma vítima da mudança climática, gostaria de fazer algo para evitá-la", disse o chefe da delegação indonésia, Agus Purnomo.

 

O rascunho do acordo de Copenhague pede que os países pobres cortem suas emissões entre 15% e 30% até 2020 além dos cortes que já fariam normalmente, desde que recebam ajuda financeira dos países ricos.

 

A maioria dos países desenvolvidos, exceto os Estados Unidos, ofereceu cortes de 15% a 23% abaixo do nível de 1990, até 2020. Isso não chega ao corte de 25% a 40% que os cientistas consideram necessário para impedir os efeitos mais catastróficos do aquecimento global.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento globalefeito estufa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.