Índia vai rejeitar metas de emissão de gás do efeito estufa

O país é um dos maiores emissores mundiais, ao lado da China, Estados Unidos e Rússia

Reuters

30 Junho 2009 | 17h40

A Índia não se comprometerá com metas de redução de emissões do gás do efeito estufa, mas em vez disso se concentrará no combate à pobreza e na expansão do crescimento econômico, disse o ministro do Meio Ambiente do país nesta terça-feira, 30.  

 

Veja também:

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

A Índia é um dos maiores emissores mundiais, ao lado da China, Estados Unidos e Rússia, e também a segunda nação mais populosa do planeta. Mas as emissões per capita da Índia estão muito aquém das efetuadas pelas nações ricas, por isso o país considera que o mundo desenvolvido deveria assumir a liderança no manejo das mudanças climáticas.

"A Índia não pode e não vai assumir metas de redução de emissões porque a erradicação da pobreza e o desenvolvimento econômico e social são prioridades mais importantes que todas", diz um comunicado em nome do ministro do Meio Ambiente, Jairam Ramesh.

Uma obrigação legal de cumprir metas de redução de emissões põe em risco a conservação de energia, a segurança alimentar e o transporte da índia, disse ele.

A Índia expressou sua posição bem antes da negociação em dezembro, em Copenhague, do tratado sobre o clima que substituirá o Protocolo de Kyoto.

Nações em desenvolvimento dizem que os países ricos deveriam até 2020 cortar as emissões em pelo menos 40 por cento em relação aos níveis de 1990.

Os países desenvolvidos afirmam que essa meta não pode ser alcançada num momento em que tentam estimular suas economias, afetadas pela recessão.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global Índia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.