Índia reduzirá emissão de carbono em até 25%

Ambientalistas qualificam a proposta de 'insignificante'

MUNEEZA NAQVI e ARTHUR MAX, AP

04 Dezembro 2009 | 18h49

O governo indiano anunciou nesta sexta-feira um significante corte no crescimento de suas emissões de carbono para a próxima década. Havia uma grande expectativa sobre a decisão, já que a Índia era o único país entre os grandes emissores que ainda não havia determinado sua meta. O plano indiano é menos ambicioso do que o dos EUA e da China. No entanto, o anúncio amplia o debate sobre os limites da emissão às vésperas da Conferência do Clima da ONU, que começa na segunda-feira (dia 7) em Copenhague, na Dinamarca.

 

· Conferência terá maior plano de segurança desde a 2ª Guerra

 

O ministro do Meio Ambiente da Índia, Jairam Ramesh, afirmou que o projeto do país é reduzir entre 20% e 25% o lançamento de carbono na atmosfera, em relação aos índices de 2005. Isso significa que as emissões continuarão crescendo, mas a um ritmo mais lento.

 

“Devemos ser flexíveis sem comprometer os interesses básicos da nação”, disse Ramesh, acrescentando que as emissões vão crescer, mas de uma maneira mais controlada, já que a Índia caminha para uma economia mais eficiente em relação ao uso energético. A Índia é o quinto país no ranking dos maiores poluidores, com 4,7 do total de emissões no mundo. EUA e China são os primeiros, com 40%. Brasil, Rússia e Indonésia são os próximos da lista.

 

Ambientalistas indianos qualificaram a proposta como insuficiente. “Ela apenas endossa o comprometimento dos americanos, que é insignificante”, disse Sunita Narain, do Centro de Ciência e Meio Ambiente de Nova Délhi.  A meta, porém, foi elogiada pelo Greenpeace, dizendo que a meta coloca o país como um forte negociador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.