Efe
Efe

Índia pede aos países ricos ajuda contra a mudança climática

Premiê indiano diz que nações desenvolvidas devem oferecer assistência financeira e técnica aos países pobres

Efe,

05 Fevereiro 2010 | 10h36

O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, pediu nesta sexta-feira, 5, aos países ricos que tomem medidas intensas na luta contra a mudança climática e reiterou maior assistência financeira e técnica aos países pobres para conseguir um acordo internacional satisfatório.

 

Veja também:

linkChefe do IPCC diz que relatório climático tinha apenas um erro

linkEmpresas e governos sentem ameaça na luta climática, diz ONU

linkEmergentes dão apoio ambíguo ao 'Acordo de Copenhague'

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono   

 

"A falta de consenso global é uma barreira ainda maior para alcançar um acordo. Os países industrializados devem reconhecer claramente seu papel histórico na contaminação", disse Singh, em Nova Délhi.

 

Singh inaugurou na capital indiana a 10ª edição do fórum de desenvolvimento sustentável de Délhi com um longo discurso em que manifestou sua "decepção" pelas "conquistas limitadas" da conferência do clima de Copenhague de dezembro de 2009.

 

Em seu discurso, o primeiro-ministro da Índia afirmou agora a chave está em assegurar o cumprimento do prometido para não colocar em "descrédito todo o processo".

 

"Um acordo modesto que se desenvolve totalmente pode ser melhor", disse o primeiro-ministro, após lembrar que o acordo da capital dinamarquesa é um "catálogo de compromissos voluntários e não um conjunto de obrigações legais".

 

Vários dirigentes europeus, como o presidente esloveno Danilo Turk, os primeiros-ministros finlandês, Matti Vanhanen, norueguês, Jens Stoltenberg, e grego, George Papandreu, estão em Nova Délhi.

 

O fórum é o primeiro grande encontro global após Copenhague, embora em janeiro Nova Délhi tenha recebido uma reunião de ministros da África do Sul, Brasil, Índia, e China - o chamado grupo BASIC - no qual pediram o rápido desembolso dos US$ 10 bilhões prometidos para 2010 aos países pobres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.