Índia assume que emissões de gases continuarão crescendo

Ministério do Meio Ambiente do país afirma que rejeitará a imposição de metas de redução em Copenhague

Efe,

20 Novembro 2009 | 11h35

O ministro indiano do Meio Ambiente, Jairam Ramesh, assumiu nesta sexta-feira, 20, que as emissões de gases do efeito estufa da Índia seguirão crescendo e que entre os problemas ecológicos mais preocupantes em seu Governo estão à gestão de água, a sujeira das grandes cidades e a proteção às florestas.

 

Veja também:

linkMudança climática custará 7% do PIB à Indonésia em 2100

linkMeta climática voluntária pode virar lei no Brasil

linkMerkel defende acordo em Copenhague e tratado em 2010

 

Em entrevista coletiva para apresentar o relatório do Instituto de Pesquisa e Energia de Tata (TERI, na sigla em inglês), um instituto dedicado ao estímulo do desenvolvimento sustentável, Ramesh afirmou que as emissões da Índia "crescerão" nos próximos anos, embora não tenha detalhado a que ritmo.

 

"Nosso objetivo é manter o nível de absorção de CO2 das florestas em 10 %", limitou-se a dizer o ministro, cujo Governo é reticente em comprometer-se com uma redução de emissões na cúpula de Copenhague, que ocorre em dezembro.

 

Ramesh fez as afirmações durante a apresentação do estudo do TERI, dirigido pelo cientista Rajendra K. Pachauri, presidente do Grupo Intergovernamental da ONU sobre a Mudança Climática (IPCC), distinto com o Prêmio Nobel da Paz em 2007.

 

Nesta sexta-feira, o ministro não se pronunciou sobre o papel da Índia na cúpula de Copenhague, mas ontem, durante a apresentação de outro relatório, deixou claro que o gigante asiático rejeitará a imposição de redução na emissão de gases. "Não esperem demais de Copenhague. Não mudaremos nossa postura", advertiu, citado pela agência Ians. "Parece extenso o caminho até chegarmos a um compromisso internacional vinculativo e, no qual, os países desenvolvidos assumam os compromissos", lamentou.

 

O Governo indiano criticou com dureza em outras ocasiões os países desenvolvidos por propiciar a mudança climática e se negou a comprometer-se com a redução de emissões de gases do efeito estufa.

 

O Ministério do Meio Ambiente mostrou durante os últimos meses mais interesse com os sérios problemas ecológicos em território indiano, como o desmatamento, a gestão de água, a biodiversidade e a sujeira das grandes cidades.

Mais conteúdo sobre:
India emissao de gases

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.