Incêndios predominam no Cerrado; Parque das Emas sofre destruição de 90%

Os 10 km em volta do parque são ocupados pelo plantio da soja, de onde teria partido a frente de fogo

estadão.com.br, estadão.com.br

31 de agosto de 2010 | 16h56

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, divulgou nesta terça-feira, 31, dados que indicam que os incêndios no País estão concentrados no bioma Cerrado. Mais de 67% do total de focos localizados estão em áreas privadas e acontecem porque fazendeiros e índios usam o fogo como manejo e perdem o controle das queimadas provocadas. De acordo com o levantamento, 13% dos focos estão em áreas indígenas, 8% em assentamentos da reforma agrária e 7% em unidades de conservação.

 

Veja também:

linkBombeiros controlam incêndio na Serra da Canastra, em Minas Gerais

tabela Desmatamento dobra em relação a junho, mas cai na comparação com 2009

 

O Parque Nacional das Emas foi consumido pelo fogo que, segundo o ministério, começou em seu entorno. Os 10 km em volta do parque são ocupados pelo plantio da soja, de onde teria partido a frente de fogo. Entre os dias 13 e 14 de agosto, o vento espalhou as chamas pelo parque em menos de 48 horas e, de acordo com o governo, só agora a situação está sob controle. De acordo com a ministra, houve destruição de mais 90% dos 132 mil hectares da área protegida do Centro-Oeste.

 

O Ibama e o Instituto Chico Mendes fizeram, também, um levantamento das ações do governo no combate ao fogo. Foram consumidos R$ 30 milhões nas operações, que envolvem mais de cinco mil homens, oito aviões, sete helicópteros e pelo menos 90 viaturas, trabalhando em todos os turnos e em todas as 109 áreas críticas.

 

Foi anunciada, ainda, a liberação de mais R$ 20 milhões para dar continuidade às operações, que devem se estender até meados de setembro, quando as chuvas voltam à região.

 

Os quase 260 mil focos de calor registrados pelos satélites utilizados pelo Inpe para o monitoramento não correspondem ao número de incêndios, que pode ser bem menor, de acordo com nota do ministério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.