DIMITRI ARGOLO CERQUEIRA/DIVULGAÇÃO
DIMITRI ARGOLO CERQUEIRA/DIVULGAÇÃO

Incêndio na Chapada Diamantina já destruiu 2 mil hectares

Os municípios mais atingidos são Lençóis e Palmeiras; segundo secretário, perdas da flora e fauna comprometem nascentes de rios

Biaggio Talento, Especial para O Estado

16 Novembro 2015 | 20h17

SALVADOR - Cerca de dois mil hectares de vegetação já foram destruídos pelo incêndio que atinge a Chapada Diamantina, no centro da Bahia, desde a semana passada. A região é uma das preferidas pelos turistas de todo o País pela quantidade de trilhas, cachoeiras, grutas e outras belezas naturais. 

Os municípios mais atingidos são Lençóis e Palmeiras. Conforme o secretário do meio ambiente do Estado, Eugênio Spengler as perdas da flora e fauna por causa do fogo "comprometem nascentes de rios, o que provoca prejuízos inestimáveis". Spengler destacou ainda os prejuízos econômicos na lavoura e pecuária. 

"Como é um região turística, obviamente também há uma perda considerável das belezas para os moradores e visitantes, afetando o turismo", disse.

Embora o governo não considere o incêndio incontrolável, Spengler admitiu que a situação é "crítica", mas os brigadistas e integrantes do Corpo de Bombeiros conseguiram nessa segunda apagar focos em locais importantes como o entorno do Morro do Pai Inácio e a vegetação de um lado do Morro do Camelo, além de um foco dentro do Parque Nacional da Chapada Diamantina que ameaçava uma comunidade.

Seis aeronaves estão sendo usadas no combate ao incêndio e outras duas da Força Aérea Brasileira devem chegar nessa terça para ajudar. São 105 pessoas atuando para apagar os focos, entre bombeiros e brigadistas. Carros-pipa são esperados nessa terça para abastecer os aviões. Spengler informou que várias prefeituras da região colocaram suas estruturas à disposição dos combatentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.