Divulgação/Bombeiros
Divulgação/Bombeiros

Incêndio consome 20 mil metros quadrados da Serra do Curral e chega perto de prédios

Fogo foi controlado durante a madrugada; não há informações sobre as causas das chamas

Leonardo Augusto, Especial para O Estado

14 Outubro 2015 | 16h18

BELO HORIZONTE - O Corpo de Bombeiros controlou na madrugada desta quarta-feira, 14, incêndio na Serra do Curral, considerada cartão postal da cidade, ao sul da capital. As chamas chegaram perto de casas nos bairros Mangabeiras e Comiteco, na região centro-sul. Um helicóptero dos bombeiros sobrevoou a área atingida nesta manhã e, segundo a corporação, não há mais sinais do fogo.

O incêndio começou a ser combatido por volta das 20h30 desta terça-feira e foi controlado à 1h30. Ao todo, ainda conforme os bombeiros, foram destruídos cerca de 20 mil metros quadrados de área da Serra do Curral, o equivalente a aproximadamente dois campos de futebol com suas dimensões máximas de 120 metros de comprimento por 90 de largura.

Não houve feridos, mas a população da região se assustou com a proximidade das chamas. Segundo o advogado Fabiano Antonacci, morador do Sion, outro bairro que fica próximo ao local do incêndio, a ocorrência de fogo é comum na região. Parte da Serra do Curral fica do outro lado da rua em que fica o prédio onde o advogado mora com a mulher e dois filhos. "Uma vez tive dificuldade de entrar na garagem por causa das chamas", conta.

Não há confirmação sobre as causas do incêndio. Há dias não chove em Belo Horizonte. 

Em nota, o Corpo de Bombeiros afirmou que o combate às chamas começou às 20h41 desta terça-feira, 13, e que foram registradas 17 chamadas para combate a incêndios florestais na região metropolitana de Belo Horizonte.

Sobre suposta demora para o início do controle do fogo, a corporação afirmou que as chamas na Serra do Curral não podem ser apagadas com o uso de caminhões de grande porte por causa do terreno acidentado.

Mais conteúdo sobre:
Serra do Curral

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.