Impasse segue entre ambientalistas e baleeiros na Antártida

Dois ativistas do grupo Sea Shepherd estão detidos em baleeiro japonês desde quarta-feira, 15

16 de janeiro de 2008 | 13h59

O grupo Sea Shepherd rejeitou o que classificou de "exigências terroristas" feitas pelo comando do baleeiro japonês Yashin Maru 2, no qual estão retidos dois ativistas que, na terça-feira, 15, subiram a bordo para protestar contra a  caça de baleias numa área protegida na Antártida.      Segundo o comunicado, o Instituto Japonês de Pesquisa de Cetáceos (ICR, sigla em inglês), que coordena as operações japonesas em águas antárticas, ofereceu ao Sea Shepherd a libertação dos dois ativistas. Mas, em troca, exigiu que a organização pare de interferir nas suas ações.      "O Instituto está atuando como uma organização terrorista, tomando reféns e fazendo exigências. Nossa política é não responder às exigências terroristas", disse Peter Brown, primeiro oficial do navio Steve Irwin, propriedade do Sea Shepherd, no qual viajavam os dois ativistas.      Brown acrescentou que o plano para a devolução proposto pelos japoneses é "muito perigoso", porque ocorreria numa pequena embarcação, a dez milhas náuticas do navio usado pelos ativistas, o Steve Irwin.   O britânico Giles Lane, de 35 anos, e o australiano Benjamin Potts, de 28, abordaram ontem o pesqueiro japonês. Eles pretendiam entregar uma carta informando que a embarcação tinha entrado de forma ilegal na recém-declarada reserva marinha da Austrália na Antártida.   No mesmo dia, um juiz australiano declarou ilegal a caça de baleias na reserva marítima australiana na Antártida. O Japão considerou a decisão ilegítima porque, na sua opinião, a Austrália não tem jurisdição sobre o território.   O diretor do ICR, Minoru Morimoto, disse em comunicado que "é ilegal abordar um navio de outro país em alto mar, e como resultado os dois estão neste momento retidos em custódia, enquanto se tomam decisões sobre seu futuro".   Segundo Brown, as condições impostas pelo ICR impediriam a ONG de filmar ou fotografar o baleeiro em ação.   O ministro de Assuntos Exteriores australiano, Stephen Smith, pediu aos capitães do Yashin Maru 2 e do Steve Irwin que não impomham condições para a libertação dos dois ativistas retidos à força no baleeiro japonês. O pedido foi feito depois que o grupo Sea Shepherd rejeitou as exigências do baleeiro.      "Os capitães dos dois navios envolvidos têm a obrigação de garantir a transferência segura dos ativistas, que deverão ser transferidos para seu barco assim que possível", afirmou o chanceler australiano, em comunicado.      Smith indicou que a representação diplomática australiana em Tóquio mantém contato constante com o governo do Japão e falou com o governo da Holanda, país onde o Steve Irwin está registrado.

Tudo o que sabemos sobre:
baleiasjapãoaustrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.