Impasse em acordo do clima divide países ricos

União Europeia condicionou sua participação no pacto à entrada dos EUA, Japão e outros industrializados

Andrei Netto e Afra Balazina, enviados especiais de O Estado de S. Paulo,

09 Dezembro 2009 | 22h51

Os impasses entre as nações ricas tornaram-se públicos nesta quarta-feira, 9, no terceiro dia da 15ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-15), em Copenhague. A União Europeia condicionou a sua presença no acordo que deve entrar em vigor após 2013 à entrada dos Estados Unidos, Japão e de outros países industrializados.  

 

Veja também:

linkAmorim teme que países sigam atitude dos EUA em Copenhague

linkBrasil nega 'racha' entre países emergentes em Copenhague

linkFinanciamento 'verde' não avança

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Em resposta, Todd Stern, assessor para assuntos climáticos da Casa Branca, descartou a hipótese de que os termos de Kyoto sirvam de base para o novo protocolo, com a participação dos EUA. Stern admitiu que elementos do atual acordo, como o mercado de carbono, podem ser aceitos. Mas nada além disso. "Se estamos falando em pôr outro nome no Protocolo de Kyoto, não vamos aceitar."

 

Em público, Anders Turesson, negociador-chefe da Suécia, país que preside a UE, não descartou que o bloco abandone o Protocolo de Kyoto em favor de outro acordo climático, ainda inexistente. "O essencial é manter o sistema de Kyoto, sua arquitetura", argumentou.

 

Minutos depois, na mesma sala, Todd Stern - principal assessor do presidente Barack Obama para assuntos climáticos - foi taxativo: "Não vamos fazer parte de Kyoto. Essa proposta não está sobre a mesa."

 

Os EUA e a China também pressionaram um ao outro. O negociador chinês, Su Wei, classificou de insuficiente a proposta dos EUA de cortarem em 17% as emissões de CO2 até 2020 e pediu uma meta mais ambiciosa. O governo americano também exigiu compromisso e afirmou que os EUA não transferirão recursos para a China. "Não há nenhuma chance. Queremos direcionar os nossos dólares para os países mais pobres. A China tem uma economia dinâmica, está sentada em uma reserva de US$ 2 bilhões. Não creio que seja a primeira candidata para receber recursos públicos", declarou Stern.

 

Stern também demonstrou intransigência sobre a transferência de recursos para nações em desenvolvimento, prevista por Kyoto.

 

Na segunda, o Estado revelou que a UE lidera o grupo dos países que quer vetar dinheiro para emergentes, como Brasil, China e Índia. Questionado sobre até que ponto os EUA estão dispostos a repassar recursos para os fundos de Adaptação e Mitigação - que financiariam ações de redução de emissões de CO2 em países em desenvolvimento -, Stern afirmou que está disposto a aceitar o financiamento de curto prazo, válido até 2013 e estimado em US$ 10 bilhões. Mas apenas para as nações mais pobres. Ele não fez referências a compromissos de médio prazo, até 2020.

 

Nos bastidores, europeus e latino-americanos dizem não acreditar em um acordo financeiro - a rigor, o mais importante tema da COP-15. Criador de um mecanismo de financiamento baseado no mercado de carbono, Leif K. Ervik, da Noruega, disse: "A chance de um compromisso que inclua recursos por parte dos ricos é zero."

 

APREENSÃO

 

A polícia da Dinamarca apreendeu um arsenal de bombas de tinta, escudos e outros itens que supostamente seriam usados em atos violentas durante a conferência. Ninguém foi preso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.