Ilhas Galápagos devem receber menos turistas, diz UICN

Segundo diretora da organização, devem ter preferência aqueles que 'sabem a importância' da reserva natural

Efe,

27 Janeiro 2009 | 15h30

A diretora geral da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), Julia Marton-Lefèvre, diz que é necessário reduzir o número de turistas que visitam as Ilhas Galápagos, e que se deve dar preferência para aqueles que "sabem a importância" dessa reserva natural.   Em uma entrevista publicada nesta terça-feira, 27, pelo jornal El Comercio, Julia, que acaba de visitar o arquipélago equatoriano, declarou que "um dos maiores problemas para a conservação (da reserva) é a presença de muitos turistas."   Segundo a representante da UICN, "Galápagos pode suportar 70 mil visitantes ao ano, mas agora chegam até 190 mil."   A diretora apontou as operadoras turísticas como um primeiro filtro para a seleção de turistas e indicou que "devem fazer um plano de educação e conscientização, sobre por que o arquipélago é tão vulnerável e por que é um patrimônio mundial."   Para ela, seria preferível que não fossem realizadas atividades como grandes torneios de surfe, e apontou como possibilidades para reduzir as visitas às ilhas que se estabeleça uma lista de espera ou algum tipo de sorteio e que "somente seja incentivado o turismo ecológico."

Mais conteúdo sobre:
meio ambiente Galápagos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.