RICHARD VOGEL/AP
RICHARD VOGEL/AP

Ilha do Pacífico pode sumir com aumento do nível do mar

Ilha paradisíaca do Oceano Pacífico, Kiribati começou a acumular reservas internacionais. O objetivo não é conter ataques especulativos nem pagar a dívida externa. Segundo seu presidente, Anote Tong, o dinheiro servirá para comprar terras no exterior para os 100 mil habitantes de Kiribati caso a elevação do nível do mar ameace o país.

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

26 Novembro 2009 | 23h17

 

Grande parte de Kiribati está só 5 metros acima do nível do mar. Nas 33 ilhas do arquipélago do qual a ilha faz parte, o avanço do Pacífico tem sido de 5,1 milímetros por ano. Tempestades cada vez mais violentas alteraram a rotina do país. O volume de água potável já é crítico e a agricultura está sendo afetada. Moradores da costa mudaram-se para o interior e o governo está treinando a população em profissões que possam ser úteis em outros países, como a de mergulhador profissional.

 

Um acordo em Copenhague “determinará se vamos continuar existindo ou não”, diz Tong. “Somos o rosto das vítimas das mudanças climáticas.” Vítimas inocentes, aliás. Dados do Fórum Humanitário Global, criado pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, indicam que os 50 países que, como Kiribati, são os mais vulneráveis aos efeitos do aquecimento global geraram só 1% das emissões mundiais de gás carbônico nos últimos cinco anos.

 

A ideia de mudança para outro território ainda é vista como medida de emergência. Mas Tong acha que é preciso se preparar para o pior. “Ou procuramos um lugar seguro para continuar nossa sociedade ou aceitamos passivamente a ideia de que vamos desaparecer.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.