Petrobras
Petrobras

Ibama monitora vazamento de óleo de plataforma da Petrobras no Espírito Santo

Empresa confirmou que rompimento de estrutura espalhou 270 mil litros da substância no mar. Mancha atinge 2,4 km de extensão

Redação, com Reuters, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2019 | 22h06

SÃO PAULO - O Ibama informou neste sábado, 23, que está acompanhando as ações desenvolvidas pela Petrobras para mitigar o vazamento de óleo da plataforma P-58 após o rompimento do mangote durante transferência para o navio São Sebastião, no Campo Jubarte, a cerca de 85 quilômetros da costa do Espírito Santo. Segundo o órgão, em monitoramento realizado no fim da tarde, o trecho de maior concentração da principal mancha atingia 2,4 quilômetros de extensão por 0,55 km de largura. 

O Ibama detalhou que a  Petrobras enviou barcos para dispersão mecânica do óleo derramado. "Segundo a empresa, o vazamento foi interrompido. Até o momento não há indicativo de que o óleo vá chegar às praias da região e não foram avistados animais atingidos", disse o órgão ambiental.

Laudo técnico vai determinar a dimensão do dano ambiental e servirá de base para aplicação de sanções à Petrobras, disse em nota o Ibama. A fiscalização da segurança operacional da plataforma é atribuição da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e a manutenção da integridade da estrutura é responsabilidade da Petrobras.

"O Ibama, em ação coordenada com a Marinha e a ANP, seguirá monitorando a área e acompanhando as ações adotadas para contenção e recolhimento do óleo no mar. Equipes do Instituto integram o Posto de Comando em Vitória e a Sala de Situação no Rio de Janeiro."

 “A plataforma está em condição segura. Não há vítimas nem impacto para a operação”, disse o comunicado da empresa à Companhia de Valores Mobiliários (CVM). “Duas embarcações estão no local para contenção e recolhimento da mancha. As simulações iniciais indicam que não há risco de a mancha chegar à costa. Está sendo realizado sobrevoo com especialistas para avaliação da região”, disse a empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.