Governo da Bahia
Governo da Bahia

Ibama libera R$ 40,5 mil em cartão de compras para servidores em ação contra óleo no Nordeste

Recurso pode ser usado para aquisição de itens básicos de segurança e ferramentas para remoção da borra de petróleo

André Borges, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2019 | 20h14

BRASÍLIA – O Ibama, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, ampliou, de R$ 4 mil para R$ 8,5 mil mensais, o limite de gastos que alguns de seus servidores públicos podem gastar com cartões de compra, para facilitar a aquisição de itens básicos de segurança e ferramentas para remoção da borra de petróleo que contamina todo o litoral do Nordeste desde 30 de agosto.

O órgão chegou a analisar a possibilidade de fazer uma compra emergencial desses suprimentos, mas avaliou que essa opção poderia levar muitos dias para se concretizar. Por isso, decidiu ampliar o limite de compra dos “cartões corporativos” repassados às chefias do Ibama em cada um dos nove Estados do Nordeste.

Na prática, o impacto financeiro da medida é irrisório, dada a dimensão do desastre que já afetou 2 mil quilômetros do litoral brasileiro. Apenas um servidor em cada Estado possui esse cartão, ou seja, somente nove funcionários do Ibama são beneficiados pela medida. Na prática, portanto, o Ibama está liberando R$ 40,5 mil para compra de equipamentos de proteção individual (EPI), o que inclui itens como sacos plásticos, luvas, botas e máscaras, além de ferramentas como pás e enxadas, entre outras ferramentas básicas.

O órgão ambiental federal também conta com um número reduzido de servidores em ação em todo o Nordeste: são apenas 73 servidores espalhados pelas praias afetadas pela borra de petróleo.

Como Estado mostrou na semana passada, o governo federal tem sido acusado de demorar a agir contra o avanço do óleo nas prais e por não ter acionado imediatamente o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.