Ibama diz que controlará incêndios no Tocantins até o final da semana

Mais de 12 mil focos de incêndio foram registrados nesta segunda em todo o país, segundo o Inpe

Agência Brasil

16 de agosto de 2010 | 16h12

Os incêndios que assolam o estado de Tocantis desde a semana passada devem estar sob controle até o fim de semana, afirmou nesta segunda o diretor de Proteção Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Luciano Evaristo. Ele disse que há no estado uma força-tarefa com bombeiros, defesa civil, secretarias de meio ambiente locais e as prefeituras, para poder controlar os incêndios.

“A população da cidade de Palmas (TO) está ameaçada por um grande incêndio na Serra do Lageado. O Ibama colocou à disposição da força-tarefa no estado 200 homens, dois aviões para lançamento de água, com capacidade para 3 mil litros cada, e dois helicópteros com capacidade para levar 500 litros de água cada”, informou.

Ele disse ainda que há fortes queimadas nos estados do Pará, de Rondônia e Mato Grosso. Nesses estados também há forças-tarefas que já conseguiram controlar os focos de incêndio. De acordo com Evaristo, grande parte dos focos de incêndio, principalmente no estado do Pará, são causados em propriedades particulares

Evaristo alertou para o fato de que realizar queimadas sem autorização das autoridades ambientais é crime e o produtor que o fizer poderá pagar multa de R$ 1 mil reais por hectare (ha), e caso o fogo atinja áreas florestais ele poderá pagar R$ 5 mil reais por ha. “O mais importante é chamar a atenção desses produtores de que está na hora de um pouco de consciência, parar de queimar e adiar as necessidades de queimada do solo até que seja estabilizada a situação no país”, disse Evaristo.

Mais de 12 mil focos de incêndio foram registrados hoje em todo o país, de acordo com relatório do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Os focos estão espalhados por 18 estados e pelo Distrito Federal, sendo que a maior parte (5.046), no Pará.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.