Peter Somogyi-Toth/REUTERS
Peter Somogyi-Toth/REUTERS

Hungria pede ajuda técnica à UE para combater efeitos de vazamento tóxico

País solicitou 'assistência urgente' e envio de especialistas com experiência em vazamentos tóxicos

Efe

08 Outubro 2010 | 12h00

BRUXELAS - A Hungria ativou o mecanismo europeu de proteção civil e pediu ajuda técnica para enfrentar o vazamento da "lama vermelha" causada pela ruptura de uma represa de substâncias tóxicas de uma fabrica de alumínio, que já chegaram ao rio Danúbio.

 

O país recorreu à União Europeia (UE) para solicitar "assistência internacional urgente" ontem à noite, informou a Comissão Europeia - órgão executivo da UE - em comunicado.

 

As autoridades húngaras identificaram uma necessidade imediata de três ou cinco especialistas com experiência em gestão de vazamentos tóxicos, limpeza e redução do impacto ambiental.

 

O Centro de Controle e Informação (conhecido como MIC) esteve em estreito contato com as autoridades húngaras desde segunda-feira para monitorar a evolução da situação e ficar de prontidão para reagir com rapidez caso Budapeste solicitasse ajuda.

 

Após o pedido oficial de ajuda, o MIC se pôs em contato com os 31 países que participam deste mecanismo, indicou o comunicado da Comissão. O órgão espera agora receber ofertas de ajuda em breve.

 

"Desastres como este não se detêm nas fronteiras nacionais", afirmou a comissária de Ajuda Humanitária e Resposta às Crises da UE, Kristalina Georgieva, após receber o pedido da Hungria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.