Guaratinguetá suspende plantio de eucalipto

A Defensoria Pública de São Paulo em Taubaté, no Vale do Paraíba, obteve decisão liminar favorável da 1.ª Vara Cível da Comarca de Guaratinguetá suspendendo o plantio de eucalipto no território do município. A medida vale até que sejam realizados estudos de impacto ambiental e audiências públicas prévias sobre cada empreendimento que faz o cultivo dessa árvore.

O Estado de S. Paulo

11 de abril de 2011 | 10h55

 

A decisão determina também a suspensão de corte de eucalipto na Fazenda Santa Rita 5, que pertence à empresa de papel e celulose Fibria. De acordo com a ação, o empreendimento desrespeita normas ambientais. Na fazenda, localizada em uma área de topo de morro, estão as nascentes que abastecem com água potável as terras baixas do entorno.

 

A decisão decorre de ação civil pública que foi proposta pelo defensor Wagner Giron de La Torre. O ajuizamento ocorreu após pequenos agricultores da região terem procurado o órgão para relatar impactos como a diminuição no abastecimento de água potável, contaminação de lençol freático e êxodo de animais.

 

Em nota, a Fibria afirma que "conduz suas operações de acordo com as melhores práticas de manejo florestal" e diz que cumprirá a decisão liminar.

Tudo o que sabemos sobre:
Eucalipto, Guaratinguetá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.