Groenlândia tem derretimento extremo

Nasa registra derretimento de 97% do gelo da região

The New York Times,

26 Julho 2012 | 03h02

Em apenas quatro dias, neste mês, a superfície da manta de gelo da Groenlândia derreteu em uma quantidade nunca antes observada por satélite, afirmou a agência espacial dos Estados Unidos (Nasa). As medições são feitas há 30 anos.

Em média, cerca de metade da superfície gelada derrete durante o verão do Hemisfério Norte, mas, entre os dias 9 de 12 deste mês, o índice de derretimento do gelo subiu de 40% para 97%, afirmam cientistas.

"Comecei a olhar as imagens de satélite e vi algo sem precedentes", afirmou anteontem Thomas Mote, climatologista da Universidade da Georgia que estuda mudanças no gelo da Groenlândia há 20 anos.

Enquanto cientistas descreveram o evento como "extremo", eles ressaltam que, em um contexto histórico mais amplo, ele pode ser visto como normal. Isso porque amostras de gelo retiradas das profundezas mostram que, nos últimos 10 mil anos, a cada 150 anos um grande derretimento semelhante ocorreu - o último foi em 1889.

Mesmo assim, os cientistas afirmam que o derretimento deste mês foi significativo, porque a manta de gelo da Groenlândia está diminuindo por causa do aquecimento dos oceanos.

"Ainda que esse evento seja parte de uma variação normal, não deixa de ser um experimento fantástico para que entendamos como a manta de gelo vai se alterar", afirmou Thomas Wagner, líder do programa de estudos da criosfera - as regiões da superfície terrestre cobertas permanentemente por gelo e neve - da Nasa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.