Greenpeace 'multa' motoristas que mais agridem o clima

Ativistas vestidos de guardas de trânsito alertaram motoristas em situações agressivas para o meio ambiente

Efe,

17 Setembro 2009 | 16h30

Foto: Efe

 

O Greenpeace organizou nesta quinta-feira, 17, protestos contra o uso indiscriminado do automóvel em oito capitais brasileiras nos quais seus militantes, vestidos de guardas de trânsito, pararam e "multaram" os motoristas mais agressivos com o clima.

 

Veja também:

linkCarlos Minc defende uso do etanol como combustível

linkCarro flex abastecido com gasolina polui menos

link Motores menos potentes podem poluir mais que os de maior cilindrada

link Saiba quanto o seu carro polui

 

"Foi um protesto bem-humorado que procura alertar a população sobre os impactos do uso do carro e do transporte individual na mudança climática", explicou Gabriela Vuolo, coordenadora de mobilização da campanha do clima do Greenpeace Brasil, em declarações à Agência Efe.

 

"Multamos em três situações: os que dirigem sozinhos e, por isso, estão fazendo mau uso do carro; pessoas em carros muito grandes que consomem muito combustível; e pessoas que não dão preferência ao ciclista ou ao pedestre", explicou Vuolo, que participou do ato promovido em São Paulo.

 

"A receptividade está sendo muito grande. Todo mundo pensa que em São Paulo, por ser uma cidade muito grande, as pessoas nem querem baixar o vidro, mas estão gostando", comentou Vuolo.

 

Foto: Efe

 

Sobre o fato de que alguns dos ativistas encarregados de "multar" terem aparecido com uniformes idênticos aos dos guardas de trânsito, Vuolo disse apenas que se trata de "uma roupa muito parecida".

 

"Por isso, não há nenhum tipo de problema, é uma atividade de alerta, um protesto bem-humorado", acrescentou.

 

A mobilização também teve como objetivo convidar os motoristas a participar do Dia Mundial sem Carro, promovido na próxima terça-feira.

 

Além de São Paulo, o Greenpeace também protestou hoje em Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Manaus, Recife e Brasília.

Mais conteúdo sobre:
Greenpeace meio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.