Christian Braga / Greenpeace
Christian Braga / Greenpeace

Greenpeace flagra em imagens queimadas em floresta no MT apesar de proibição de fogo

Estado tem uma regra válida desde o dia 1º de julho proibindo fogo, mas organização constatou diversos focos e fumaças em sobrevoo na semana passada em trechos de Floresta Amazônica

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2020 | 13h06
Atualizado 18 de julho de 2020 | 14h31

A organização não governamental Greenpeace flagrou diversos focos de queimada em florestas no Mato Grosso na semana passada, apesar de uma determinação do Estado para que não haja fogo desde o dia 1º de julho. Em sobrevoo sobre região do Estado coberta pela Floresta Amazônica no último dia 9, foram capturadas imagens de que focos ativos e muita fumaça. Além das áreas completamente queimadas, o Greenpeace também registrou imagens de áreas sendo preparadas para a queima.

Para toda a região da Amazônia e também para o Pantanal, o governo federal baixou um decreto nesta quinta, 16, também instituindo uma moratória do fogo por 120 dias.

De acordo com o Programa Queimadas, do Inpe, o mês de junho teve 2.248 focos de queimadas no bioma Amazônia, o maior valor desde 2007, com um aumento de 19,57% comparado a junho de 2019. Entre 1º e 16 de julho, já foram 1.444 focos. No mesmo período do ano passado haviam sido 1.289. 

O Greenpeace fez um recorte nos dados do Mato Grosso e observou que desde o início do ano, até 13 de julho, já foram registrados 4.437 focos de incêndio dentro do bioma amazônico no Estado. Com isso, o Mato Grosso já conta com o maior número de queimadas na Amazônia brasileira este ano, representando 49,52% de todas as queimadas na região em 2020.

"Essas imagens e o aumento recorde do desmatamento este ano são o resultado da política antiambiental do governo para a Amazônia, que ainda tenta usar a crise provocada pela covid-19 como uma cortina de fumaça para permitir ainda mais desmatamento, grilagem e garimpo na floresta. A única coisa que este governo está fazendo é colocando o clima e mais vidas em risco, especialmente as dos povos indígenas", disse Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Florestas do Greenpeace Brasil, em nota divulgada à imprensa.

"Incêndios não ocorrem de forma natural na Amazônia. O fogo é ateado por fazendeiros e grileiros para remover a floresta ou quando ela já está derrubada e seca pelo sol, visando aumentar as áreas de pastagem ou agrícola, especulação de terras e grilagem. A prática se tornou ainda mais comum com a falta de fiscalização e desmantelamento dos órgãos ambientais promovido por este governo, pois gera a sensação de certeza da impunidade", disse o ambientalista. 

A Secretaria de Meio Ambiente do Mato Grosso afirmou, por meio de nota, "que está colocando em campo toda equipe e infraestrutura disponível das secretarias de Meio Ambiente e de Segurança Pública para a realização de fiscalização e combate aos incêndios florestais para coibir e autuar práticas criminosas realizadas em Mato Grosso e evitar maiores danos ambientais". Não justificou, porém, porque ocorreram as queimadas flagradas pela ONG.

Afirmou também que aplicados neste ano, até o momento, R$ 32,6 milhões em multas relacionadas ao uso de fogo, sendo R$ 31,4 milhões por desmatamento realizado mediante uso de fogo e 1,2 milhões por queimadas.

A pasta disse que o governo trabalha com a expectativa de que "este ano seja crítico com relação às queimadas devido ao período de estiagem, com uma média de chuva 30% abaixo comparando a uma média histórica dos últimos 30 anos" e que "está se preparando com um grande investimento em recursos financeiros e humanos", que deverá ser a "maior infraestrutura já utilizada na história de Mato Grosso para combater os incêndios".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.