Greenpeace do Chile manifesta preocupação com usinas nucleares no Japão

Possíveis danos ao sistema de refrigeração dos reatores pode causar acidente nuclear

estadao.com.br, com informações da Ansa

11 de março de 2011 | 18h24

Em matéria publicada pela agência italiana de notícias Ansa, o Greenpeace do Chile se mostrou preocupado pelas possíveis consequências que o terremoto ocorrido no Japão pode trazer para as usinas nucleares do país. O primeiro ministro japonês, Naoto Kan, já decretou "emergência nuclear". O tremor de magnitude 8,9 causou tsunamis de até 10 metros.

 

De Santiago, a ONG afirma que os efeitos do tremor nas usinas pode ser "desastroso". Além dos possíveis danos às instalações nucleares, o tsunami pode afetar os sistemas de refrigeração dos reatores e comprometer o armazenamento seguro de resíduos radioativos. Existem quatro complexos nucleares na região nordeste do arquipélago japonês, afetada pelo terremoto.

 

"Ainda que sejam fechados imediatamente, os reatores requerem refrigeração ativa e grande quantidade de água para evitar o risco de superaquecimento", explica o diretor-executivo da organização no Chile, Matias Asún.

 

O Greenpeace é contra a energia nuclear, declarando-as perigosa, tóxica e contaminável. A sede chilena da ONG vai fazer uma "Marcha pela Energia Limpa" no dia em que o presidente norte-americano, Barack Obama, visitará a sede do governo do Chile para firmar um acordo nuclear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.