Divulgação / Greenpeace - 09/12/2009
Divulgação / Greenpeace - 09/12/2009

Greenpeace denuncia suspensão da sessão plenária do COP-15

ONG acusa que silêncio das nações nos debates dificulta a assinatura de um tratado obrigatório na cúpula

Efe,

09 Dezembro 2009 | 15h32

O movimento ambientalista Greenpeace denunciou a suspensão nesta quarta-feira, 9, da sessão plenária da cúpula da ONU sobre mudança climática (COP15), por considerar que põe em perigo um acordo obrigatório que proteja os países mais ameaçados pelo aquecimento global.

 

O responsável da política climática internacional do Greenpeace, Martin Kaiser, disse que, para "os países mais vulneráveis do mundo, como (a ilha de) Tuvalu, esta é uma questão de sobrevivência". "Só um acordo legalmente obrigatório pode dar a estes países a confiança de que seu futuro estará garantido", afirmou Kaiser.

 

O membro do Greenpeace destacou o silêncio desta quarta-feira das nações ricas nos debates na sessão plenária, e considerou que a China e a Índia, ao evitar falar dos aspectos legais, estão dificultando que os Estados Unidos se comprometam a assinar um tratado vinculativo.

 

Veja também:

linkGrupo de países divulga proposta sobre finanças climáticas

linkRascunho de acordo em Copenhague privilegia ricos

linkONU defende países emergentes no COP-15

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Segundo Kaiser, "outros países industrializados, como Alemanha, França, Reino Unido e Japão, devem dar agora seu apoio para conseguir um resultado legalmente vinculativo".

 

A presidente da conferência, Connie Hedegaard, determinou nesta quarta-feira - terceiro dia da cúpula, na qual se busca um acordo para reduzir os gases do efeito estufa a partir de 2012 - um recesso para o almoço, diante do desacordo reinante, para retomar as negociações no período da tarde.

Mais conteúdo sobre:
CopenhagueCOP-15Greenpeace

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.