Governo vai liberar retomada do garimpo em Serra Pelada

A expectativa é retirar 4 milhões de toneladas de ouro

06 Maio 2010 | 18h01

O ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, vai assinar na próxima sexta-feira (7), em Curionópolis (PA), a concessão de lavra que permitirá a retomada do garimpo na mina de Serra Pelada, que nos anos 80 atraiu milhares de garimpeiros em uma “corrida ao ouro”.  Agora, a extração de minérios será mecanizada, e a expectativa é retirar cerca de 4 milhões de toneladas - de ouro, platina e paládio - nos próximos oito anos. A informação foi divulgada na newsletter da ong Amigos da Terra (www.amazonia.org.br).

 

Os garimpeiros esperavam também a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Serra Pelada, mas a previsão inicial da visita não se confirmou.

 

A permissão para a exploração será dada para a empresa Serra Pelada Companhia de Desenvolvimento Mineral, uma associação entre a empresa canadense Colossus, que tem 75% da sociedade, e a Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp), com 45 mil garimpeiros associados, que terá 25%.

 

O garimpo será feito em uma mina subterrânea, que terá uma rampa de acesso de 1,6 mil metros de comprimento para permitir a entrada de equipamentos pesados como caminhões e brocas.  Segundo o vice-presidente da Colossus, Heleno Costa, a segurança será prioridade no empreendimento.

 

Costa destaca que a reativação da mina vai gerar 2 mil empregos diretos e indiretos na fase de implantação.  “É uma mina pequena em termos de comparação com padrões mundiais, mas é sempre bom para o país e para a região que terá novas oportunidades de emprego, de renda e, principalmente, para os garimpeiros, que esperam por isso há 23 anos”, avalia.  Ele lembra que as ações de mitigação propostas pelos licenciamentos ambientais também vão beneficiar a região.

 

A mina de Serra Pelada foi desativada oficialmente em 1992, com um decreto do ex-presidente Fernando Collor.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.