Governo planeja incentivar ações sustentáveis na agropecuária

Com combate contra desmatamento e projetos de incentivo, País quer reduzir emissões de carbono no setor

Agência Brasil,

03 Dezembro 2009 | 10h25

Para reduzir as emissões de carbono na agropecuária, o Brasil pretende atuar contra as práticas predatórias e incentivar um modelo menos agressivo ao meio ambiente. "Teria [ações] nas duas linhas, tanto na parte de incentivo que eu acho que é o maior foco do governo, mas também nessa parte de coerção, aumentando a fiscalização [contra o desmatamento]", afirmou o pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária Giampaolo Pellegrino.

 

Veja também:

linkChina se alinha a Brasil e Índia em exigências sobre clima

linkGrandes emergentes são contra cortar emissões em 50%

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo

 

O especialista vai assessorar a comissão brasileira responsável pelas negociações na Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), que será realizada na próxima semana em Copenhague, na Dinamarca.

 

Aumentar a oferta de crédito será uma das principais medidas adotadas pelo país, segundo Pellegrino, para estimular ações mais sustentáveis na agricultura. Parte desses recursos será investida pelo próprio governo, mas há a expectativa de um financiamento adicional nas negociações da COP-15. "É óbvio que os países em desenvolvimento vão buscar formas de financiamento dos países desenvolvidos", afirmou.

 

De acordo com o pesquisador, a proposta do Brasil para reduzir entre 5% e 6% o nível de emissões de gases de efeito estufa está baseada em quatro pontos. Entre eles, Pellegrino ressalta a integração da pecuária com a produção de grãos como a mais dispendiosa para o agricultor. "O pecuarista não tem a cultura de produzir grãos ou outras culturas. Então, além de ser mais caro, há o problema da cultura do produtor", destacou.

 

Outra ação prevista no plano que também gera custos é a recuperação de pastagens. "São raros os que adubam no Brasil a pastagem". Entretanto, o pesquisador aponta as vantagens do aumento da produção com a melhoria do pasto.

 

Além dessas duas medidas, constam na proposta do Brasil o incentivo ao plantio direto, sem revolver a terra, e a fixação biológica de nitrogênio no solo, que evita a adubação nitrogenada.

Mais conteúdo sobre:
agropecuaria sustentavel Brasil, Embrapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.