Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Governo federal oferece ajuda para custear bombeiros enviados para combater fogo no Pantanal

Ministério da Justiça e Segurança Pública disse também estar em contato com outros estados para verificar se é possível enviar mais militares para atuar no combate aos incêndios florestais

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2020 | 09h16

BRASÍLIA - O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, informou nesta segunda-feira, 21, que o governo federal ofereceu custear diárias de bombeiros militares que se deslocaram para o Mato Grosso e para o Mato Grosso de Sul a fim de atuar no combate ao incêndio no Pantanal. A pasta ainda avalia a necessidade de envio da Força Nacional. A informação já havia sido antecipada pela coluna do Estadão. 

O ministro disse ter conversado com os governadores Mauro Mendes (MT) e Reinaldo Azambuja (PSDB-MS), no sábado, 19. Segundo nota divulgada nesta segunda, o governo "realiza um levantamento nos dois estados para entender a real necessidade" do efetivo para atuar na região. 

O ministério disse também estar em contato com outros estados para verificar se é possível enviar mais militares para atuar no combate ao fogo. "Além de custear as diárias, a pasta poderá oferecer apoio logístico às unidades que disponibilizarão os profissionais", afirma a nota.

Como mostrou o Estadão, diante da lentidão do governo em relação à destruição causados pelo fogo, voluntários tomaram a linha de frente na defesa do bioma e dos animais

As queimadas já atingiram 15% da área do Pantanal.  Na semana passada, o governo mandou o ministro Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, a Mato Grosso, anunciar recursos. Ao todo, a pasta liberou R$ 13,9 milhões para o enfrentamento das queimadas. De acordo com o Ministério da Defesa, as Forças Armadas coordenam operação de combate aos incêndios que emprega, neste momento, 542 profissionais.

No domingo, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes usou sua conta no Twitter para criticar as queimadas no Pantanal. "As queimadas no Pantanal representam um risco crítico ao bioma. Animais estão morrendo. Milhares de famílias que sobrevivem do Rio Paraguai, que já atingiu seu menor nível em 50 anos, estão em risco", escreveu. Para Mendes, é preciso reverter o quadro "de descaso pela política ambiental".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.