Governo e Incra se unem para recuperar áreas no Paraná

Projeto contará com o apoio de 49 assentamentos legais para combater a ação de madeireiras ilegais

Agência Brasil,

25 Novembro 2009 | 15h36

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) firmaram nesta quarta-feira, 25, em Quedas do Iguaçu, sudoeste do Paraná, um protocolo de intenções para recuperação ambiental das áreas de preservação permanente e reserva legal em 49 projetos de assentamento da região.

 

Minc visitou as áreas onde a Polícia Federal realizou nesta última terça-feira a Operação Tolerância Zero, que prendeu 15 pessoas e fechou 35 madeireiras por extração e comercialização ilegal de madeira em 11 municípios localizados nas regiões centro-oeste, sudoeste e oeste do Paraná.

 

"Uma quadrilha de criminosos se apoderou do assentamento para roubar madeiras e cooptar agricultores. O assentado é um aliado na proteção do meio ambiente pois a relação que ele tem com a terra é de respeito", disse Minc.

 

A Operação Tolerância Zero deve cumprir 29 mandados de prisão expedidos pela Justiça Federal em Cascavel. "Desse total, 14 pessoas ainda não foram localizadas, dentre elas,dois vereadores da região", informou à Agência Brasil o agente federal Marcos Koren, chefe de Comunicação Social da PF.

 

Depois da assinatura, o ministro disse que os novos projetos de assentamento seguem a linha da preservação ambiental e incluem novas modalidades como o Projeto de Assentamento Agro-Extrativista, o Projeto de Desenvolvimento Sustentável e o Projeto de Assentamento Florestal.

 

"Nesse sentido, a reforma agrária que se está propondo pode ser o grande programa ambiental capaz de contribuir, efetivamente, para a conservação da sociobiodiversidade".

 

De acordo com a superintendente do Incra, Claudia Sonda, a reforma agrária é a grande aliada da recuperação ambiental do Paraná, pois, para a criação de Projetos de Assentamentos, é necessário o cumprimento da legislação ambiental.

 

"O Incra herda um passivo ambiental do latifúndio, especificamente quanto às áreas de Reserva Legal e de Preservação Permanente. Desta forma, o Incra assume o ônus da recuperação", explicou Cláudia.

 

Minc disse que a ideia "é fazer com que haja o casamento entre a reforma agrária e a ecologia". Para isso, ele sugeriu que o Incra faça um trabalho de plano de manejo com extensão rural no Projeto de Assentamento (PA) Celso Furtado.

 

O assentamento situa-se nas terras que faziam parte da Fazenda Giacomet Marodin, em Quedas do Iguaçu. A área, com 82.600 hectares, foi o maior latifúndio contínuo da região Sul do Brasil.

 

O PA Celso Furtado também fica sobre o maior reservatório de água doce subterrânea do mundo - o Aquífero Guarani - e na Bacia Hidrográfica do Rio Iguaçu, a maior do Paraná.

Mais conteúdo sobre:
MinisterioMincIncraParana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.