Governo dos EUA declara baleia beluga ameaçada de extinção

A beluga do Golfo Cook é uma das cinco populações de baleias beluga nas águas do Alasca e a única ameaçada

AP,

17 Outubro 2008 | 19h13

O governo dos Estados Unidos colocou as baleias beluga do Golfo Cook, no Alasca, sob a proteção da Lei de Espécies Ameaçadas, concluindo que esforços empreendidos nos últimos dez anos não bastaram para salvar a espécie.   "A despeito das proteções já adotadas, as baleias beluga não estão se recuperando", disse James Balsiger, administrador-assistente em exercício da Administração Nacional de atmosfera e Oceano (NOAA).   A determinação da NOAA conflita com as alegações da governadora e candidata republicana à Vice-Presisdência dos EUA, Sarah Palin, que questionou as evidências científicas de que a população de baleias beluga na região de Anchorage continua a cair.   A governadora vinha se opondo fortemente à possibilidade de que a baleia fosse declarada ameaçada. Ela havia dito que uma contagem realizada em 2007 indicava que a população estava começando a se recuperar, o que levou a um adiamento da decisão da NOAA.   Mas outra revisão dos números, feita neste ano, não mostrou aumento na população e documentou um declínio continuado, concluíram os cientistas.   Este é o segundo choque da governadora com as autoridades ambientais do governo Bush. Ela pediu à Justiça que revertesse uma decisão do Departamento do Interior que havia declarado o urso polar protegido sob legislação federal.   A beluga do Golfo Cook é uma das cinco populações de baleias beluga nas águas do Alasca, mas trata-se da única considerada ameaçada.   A NOAA disse que a população em Cook caiu 50% de 1994 a 1998, e "ainda não começou a se recuperar", a despeito na restrição ao número da baleias que as populações nativas podem caçar para subsistência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.