Governo busca acordo para Código Florestal, diz ministro

Segundo ministro das Relações Institucionais, a expectativa é que, até o fim do dia, seja feita uma proposta de consenso

Denise Madueño, O Estado de S. Paulo

04 Maio 2011 | 14h33

BRASÍLIA - O ministro de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, afirmou hoje que o governo insiste na busca de um acordo sobre o projeto do Código Florestal, cuja votação na Câmara está marcada para hoje à noite. "O governo trabalha com a hipótese de construir um relatório que seja consensual", disse.

 

Veja também:

blog Fernando Gabeira: O imprevisível novo Código Florestal

link Governo faz pressão para mudar texto do Código

link Análise:Imagem de vestido de noiva contrasta com clima de guerra

link ''A reforma da lei ambiental foi preparada por leigos, visando o lucro''

documento Íntegra da proposta do Novo Código Florestal

video Entenda o novo Código Florestal

 forum Aldo Rebelo:Código Florestal, o equilíbrio possível

lista A polêmica atualização do Código Florestal do Brasil

 

O ministro afirmou que cabe ao Parlamento definir a data de votação. Para ele, o melhor é que o texto aprovado não tenha "vencedor nem vencido", mas que seja pactuado entre os interesses da agricultura e da proteção do meio ambiente.

 

O ministro se reuniu com o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), e líderes de partidos da base para discutir a liberação de recursos de Orçamentos de anos anteriores cancelados pelo governo, os chamados "restos a pagar" de 2007 a 2009. Os líderes manifestaram a insatisfação com o decreto do governo, e Luiz Sérgio se comprometeu a levar as reclamações à presidente Dilma Rousseff.

 

"Os líderes fizeram um apelo para que os prazos de efetivação dos projetos relativos aos restos a pagar sejam prorrogados até o final do ano", disse Marco Maia. O decreto do governo estabeleceu o fim do prazo em 30 de junho. "A preocupação dos deputados é viabilizar os projetos dos prefeitos", completou.

 

Mais conteúdo sobre:
Código Florestal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.