Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Governo federal amplia atuação de militares contra desmatamento ilegal no Amazonas

Operação anunciada em junho passa a abranger as demais áreas da Amazônia Legal no Estado; antes, sete municípios eram atendidos

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2021 | 02h59

O presidente Jair Bolsonaro, atendendo a requerimento do governador Wilson Lima (PSC), ampliou o emprego das Forças Armadas no combate a crimes ambientais no Estado do Amazonas. A autorização ocorre após a Floresta Amazônica bater o recorde de alertas de desmatamento para o mês de junho e estende uma operação militar anunciada naquele mês para a região. A medida consta em edição desta sexta-feira do Diário Oficial da União (DOU).

Desde 28 de junho, um decreto autorizava a atuação dos militares em áreas específicas — terras indígenas, unidades federais de conservação e locais de propriedade ou sob posse da União — do território que compõe a Amazônia Legal. No Estado do Amazonas, sete municípios eram abrangidos pelo decreto antes da ampliação. O texto ainda indica outros 19 municípios de Rondônia, Pará e Mato Grosso, cabendo a cada governador formular requerimento para ampliar as áreas atendidas em seu Estado. 

Com prazo até 31 de agosto, a operação ocorre em coordenação com o Conselho Nacional da Amazônia Legal, presidido pelo Vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e tem ênfase para o desmatamento ilegal. Historicamente, o território registra alta de atividades ilícitas no período de seca, entre os meses de maio e setembro. Segundo o governo federal, a atuação da Defesa será focada em locais onde há mais registros de delitos e integrada com entidades de proteção ambiental e segurança pública. 

O reforço enviado à região coincide com o momento em que o mundo acende um alerta para a floresta. Na terça-feira, 13, um estudo publicado na revista científica Nature mostrou que algumas áreas da Amazônia já emitem mais dióxido de carbono do que absorvem. A publicação apontou o desmatamento, a ocorrência de incêndios e os efeitos das mudanças climáticas como fatores que influenciaram o aumento da emissão de CO2 em algumas áreas do bioma.

Desde 2019, a gestão Jair Bolsonaro tem sido alvo de críticas no Brasil e no exterior por sua política ambiental. O governo federal tem apostado em operações como esta para combater o desmatamento ilegal na região, mas o emprego das Forças Armadas na floresta divide especialistas, que apontam falta de expertise dos militares em comparação a agentes especializados, como fiscais do Ibama e do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgãos do Ministério do Meio Ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.