Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Reunião com Bolsonaro expõe divisão de governadores da Amazônia

Governadores se dividiram em relação ao discurso do presidente contra as políticas ambiental e indigenista praticadas no País

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2019 | 15h30

BRASÍLIA - A reunião do presidente Jair Bolsonaro com o Consórcio Interestadual da Amazônia Legal expôs nesta terça-feira, 27, uma divisão entre os governadores da região, seis deles mais alinhados politicamente ao Palácio do Planalto, e outros três não. A adesão ao discurso do presidente contra as políticas ambiental e indigenista praticadas no País rachou o bloco.

O presidente usou o encontro com governadores para estimular o debate sobre a exploração mineral em terras indígenas. El também criticou a demarcação de terras indígenas.

A partir de agora, as ações emergenciais de combate aos incêndios serão coordenadas com os governadores entre Amazônia Ocidental e Amazônica Oriental, seguindo critérios definidos militarmente, conforme proposta da Casa Civil, do ministro Onyx Lorenzoni (DEM), para as próximas reuniões de trabalho. Elas devem ocorrer até a próxima semana e incluir uma visita do ministro à Amazônia. Bolsonaro também estudar ir à região.

No lado ocidental, mais simpático ao presidente, ficaram os governadores e Estados ligados ao Comando Militar da Amazônia: Gladson Camelli (PP), do Acre, Wilson Lima (PSC), do Amazonas, Marcos Rocha (PSL), de Rondônia, Antônio Denarium (PSL), de Roraima, Mauro Mendes (DEM), de Mato Grosso, e Mauro Carlesse (DEM), do Tocantins. No oriental, vinculado ao Comando Militar do Norte, estão Waldez Góes (PDT), do Amapá, Flávio Dino (PCdoB), do Maranhão, e Helder Barbalho (MDB), do Pará.

O consórcio tem se esforçado para manter uma unidade entre os governadores, mas as divergências ficaram evidentes no encontro com Bolsonaro. Eles concordam com ações emergenciais, como o emprego das Forças Armadas para conter as chamas, mas não com a agenda de longo prazo para desenvolvimento da região e ações de prevenção.

 Marcos Rocha, por exemplo, é favorável a mudanças nas leis e na Constituição para permitir exploração de terras indígenas, mas pondera que há mais concordâncias entre os governadores do que divergências. Ele chamou o presidente de "marechal" durante a reunião e ecoou o discurso de Bolsonaro, para quem as regras levarão o Brasil à "insolvência".  "Essa legislação é para acabar com o País", disse Rocha.

A reunião transcorria em clima de concordância enquanto os governadores dos Estados ao leste trocavam impressões sobre políticas públicas com o presidente, até que Barbalho tomou a palavra e disse que o governo federal erra ao abrir mão dos U$ 20 milhões (R$ 83 milhões) oferecidos pelo G-7, grupo dos países ricos, e insiste na disputa com o presidente da França, Emmanuel Macron.

“Estamos perdendo muito tempo com o Macron. Temos de cuidar dos nossos problemas”, ponderou o paraense, que fez discurso em prol de uma produção agrícola associada à preservação. “Não é correto de nossa parte abdicar de receita, de recurso”

Há 'terrorismo' do governo ao 'satanizar' índios e ONGs, diz governador do MA

Em tom respeitoso, houve na reunião momentos de insatisfação, mas o bloco mais ligado a partidos de oposição avaliou como "positivo" o fato de poder expor sua posição no Planalto. Para Dino, do PCdoB, há uma “espécie de terrorismo” por parte do governo que "sataniza" índios, ONGS, quilomolas e unidades de conservação. 

"Desejamos um meio-termo. Não é o momento de rasgar dinheiro e procuramos construir uma modulação adequada para um discurso antiambientalista. Não acreditamos em pacotes unilareais. Não concordo com a agenda de retrocessos ambientais, porque não é o caminho para desenvolver a Amazônia", disse Dino. "Desejamos que as medidas coordenadas pelo ministro Lorenzoni não acabem por cometer esse grave erro de achar que o discurso ambientalista vai proteger o Brasil, ao contrário ele expõe o Brasil, a um isolamento indesejável." 

Presidente do Consórcio, Waldez Góes também defendeu o uso de todos os recursos disponíveis e pediu mais integração do bloco da Amazônica com o governo federal. Waldez entregou um documento que serveria de plano de ação sugerido pelos governadores. Ele sugeriu, por exemplo, mudar a gestão do Fundo Amazônia do BNDES para o Banco da Amazônia, que tem mais presença e estrutura na região.

“Não nos apegamos aqui a nossas divergências. Fomos buscar o que nos une. Já passaram muitos presidentes, muito governadores e os problemas da Amazônia vão e vêm, e quando voltam para pauta é sempre de forma muito negativa", afirmou o governador do Amapá. 

Bolsonaro encerrou a reunião reiterando o seu ponto de vista. “(O incêndio) só está sendo potencializado pela Globo, e pelos outros países, porque nosso governo não aceitou demarcar mais áreas indígenas. Se demarcar aqui, o fogo acaba em um minuto”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Elefanta Ramba chega ao Brasil e segue para 'aposentadoria' em santuário de elefantes

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.