Gorila mais velho em cativeiro sofre eutanásia aos 55 anos

Jenny tinha um tumor inoperável em seu estômago e testes mostraram que sua recuperação era improvável

AP

05 Setembro 2008 | 17h51

O gorila mais velho em cativeiro, uma fêmea de 55 anos chamada Jenny, morreu no Zoológico de Dallas, nos Estados Unidos - sua casa por mais de meio século, disse o porta-voz nesta sexta-feira, 5.   Funcionários do zôo decidiram pela eutanásia de Jenny na noite de quinta-feira, 4, devido a um tumor inoperável em seu estômago.   Jenny parou de comer e beber recentemente e testes mostraram que sua recuperação era improvável, disse o porta-voz, Sean Greene.   Os funcionários que cuidavam da gorila a descreveram como muito amável, embora um pouco mandona.   "Se ela não queria sair em um certo dia, ela simplesmente não saia", disse Todd Bowsher, curador de animais africanos do zôo. "Mas ela realmente gostava de pessoas."   Jenny nasceu na natureza e foi adquirida pelo Zôo em 1957. Ela deu à luz uma filhote chamada Vicki, em 1965, e não há certeza sobre o porquê dela nunca ter procriado novamente.   Gorilas normalmente vivem de 30 a 35 anos na natureza, mas podem sobreviver mais em ambientes protegidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.