Google e Nasa se aliam para mostrar emissões de carbono

As imagens revelam a dispersão atmosférica desses combustíveis a cada hora, por região e por tipo

Efe,

20 Fevereiro 2009 | 21h41

Google e Nasa colocaram nesta sexta-feira, 20, à disposição dos internautas mapas mundiais que mostram com detalhe as emissões de combustíveis fósseis que contaminam a atmosfera terrestre.   Veja também: Internautas poderão explorar Marte no Google Earth  Google lança ferramenta para explorar os oceanos Faça o download do Google Earth Google Mars Google Sky   As imagens, fornecidas pela Nasa e o Departamento de Energia de Estados Unidos, revelam a dispersão atmosférica desses combustíveis a cada hora, por região e por tipo, informou a agência espacial americana.   As emissões são formadas principalmente por dióxido de carbono (CO2), considerado o principal dos gases estufa que, segundo os cientistas, causaram um aumento global das temperaturas.   A criação dos mapas foi de responsabilidade de pesquisadores da Universidade Purdue, que receberam dados transmitidos pelo satélite Landsat 5 da Nasa e informação sobre as emissões de CO2 da Agência de Proteção Ambiental (EPA) e o Departamento de Energia.   "A difusão deste projeto no Google Earth leva a informação à casa de qualquer pessoa que tenha um computador", disse Kevin Gurney, professor da Universidade Purdue.   "O nosso projeto fornece uma descrição de onde e quando a sociedade influi no clima através das emissões de dióxido de carbono", acrescentou.   Gurney disse ainda que os mapas poderão determinar com precisão o nível de emissões de seu país em relação a outros e também qual é a atividade econômica que aumenta essas emissões.   Segundo o cientista, o projeto pode desmistificar ideias sobre a mudança climática e ajudar as pessoas a se informar sobre o nível de contaminação em seu país ou região.   "Será como calcular o rendimento de um carro movido à gasolina", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.