Golfinho morre em praia argentina após ser retirado do mar por multidão para foto

Golfinho franciscano está em extinção, segundo ONG; só há 30 mil animais da espécie nas costas da Argentina, do Brasil e Uruguai

O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2016 | 12h04

Um golfinho morreu, provavelmente por desidratação, ao ser retirado do mar por uma multidão de turistas na praia de Santa Teresita, na Argentina. Os frequentadores queriam fazer fotos com o animal e, para isso, o retiraram da água. Fotos feitas por um turista mostram a multidão em volta do golfinho. Em um vídeo que circula na internet, o homem que retira o animal da água afirma que o golfinho já estava morto. Entretanto, algumas pessoas que o rodeavam recomendaram voltar com o animal para o mar. 

A Fundação Vida Silvestre Argentina, organização ambiental, denunciou a situação e emitiu um comunicado ao público para informar que o golfinho franciscano, espécie retirada do mar na ocasião, é uma espécie em extinção e são encontrados apenas nas costas da Argentina, Uruguai e Brasil. 

A estimativa, segundo a fundação, é de que em todo mundo existam apenas 30  mil animais da espécie, que é muito vulnerável porque tende a nadar perto da costa, onde se tornam presas fáceis de pescadores. Com tem uma pele muito fina e frágil, o animal não pode ficar muito tempo fora da água. Com a exposição provocada pelos turistas, ele teria desidratado e morrido. 

Depois de morto, o corpo do golfinho foi abandonado pelos turistas na areia. 

Ainda de acordo com a fundação, este teria sido o segundo caso recente em que um golfinho é retirado do mar por turistas. "Devemos informar a população sobre a necessidade urgente de devolver esses animais ao mar . É fundamental que as pessoas ajudem no regaste desses golfinho, porque cada um deles importa", disse a fundação, em nota. 

A fundação afirma que, por ter uma pele frágil, que não permite que passe muito tempo longe da água, o golfinho superaqueceu e morreu. E mais: seu corpo, após perder a “utilidade”, foi deixado pelos turistas ali mesmo, na areia.

Segundo a fundação, há pelo menos dois registros de golfinhos do tipo franciscana — um dos menores do mundo, que mede entre 1,30 e 1,70 metro — sendo tirados da água por banhistas que posavam com os animais na praia. A entidade confirma que pelo menos um dos animais morreu poucos minutos depois e seu corpo foi deixado na areia.

Mais conteúdo sobre:
golfinho Argentina [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.